As Principais Notícias do Estado do Amazonas estão aqui!

Livro de escritora amazonense lidera lista dos mais vendidos em Manaus

“Antártida – Cartas do Fim do Mundo”, livro recém lançado pela escritora amazonense Bruna Chíxaro, com reflexões pessoais, história, filosofia e informações sobre o continente gelado, lidera as vendas nas plataformas online da Editora Valer, onde está, exclusivamente, à disposição do público desde o dia 12 de maio.

De acordo com o proprietário da editora, Isaac Maciel, a grande procura em plena pandemia se deve principalmente à qualidade do conteúdo, aliado ao conhecimento da autora e de sua obra anterior (Ana Bolena) e também o tema, que convida os leitores às suas próprias reflexões tendo como pano de fundo a viagem à Antártida realizada pela autora.

“É um livro sedutor, do título ao texto e narrativa apresentada em forma de cartas, e que fala de assuntos que são inerentes a todos, especialmente neste momento pelo qual passamos. Pelo retorno que temos diariamente, percebemos que a proposta da autora foi entendida e aceita pelo público, que já ultrapassou as fronteiras de Manaus, e temos registrado muitos pedidos de fora do Estado, principalmente de São Paulo, Santa Catarina e estados do Nordeste”, acrescentou Maciel.

Lançado na segunda quinzena de abril, o serviço de atendimento online da Editora Valer, que inclui a entrega gratuita e em até 24 horas em Manaus (nos dias da semana), está disponível no site www.editoravaler.com.br ou pelo WhatsApp (92) 99613-1113.

A obra

“Antártida – Cartas do Fim do Mundo”, segundo livro da curta, mas promissora carreira escritora Bruna Chíxaro nasceu de cartas diárias enviadas por ela para amigos durante sua viagem ao continente.

Muito mais do que um guia de viagens, o livro aborda de maneira única e pessoal, suas impressões sobre as novas realidades, cenários, experiências e personagens que encontrou durante a jornada.

Viajando sozinha, os relatos pessoais e a visão intimista da autora guardam grande semelhança com o momento pelo qual o mundo passa, traçando paralelos entre a liberdade de viajar com o isolamento social, quarentena e a abordagem e as perspectivas de uma “nova” realidade pós-coronavírus, que se traduz claramente logo na introdução do livro, escrito muito antes da pandemia.

“Desbravar o desconhecido é, de fato, empolgante, mas ouso dizer que a melhor parte de viajar em nossa própria companhia é poder olhar para dentro e entender tudo que nos levou a ser quem somos – bem como tudo que fizemos com o que a vida fez conosco”.

Foto: Divulgação