As Principais Notícias do Estado do Amazonas estão aqui!

Mais de 6 milhões de brasileiros sofrem com escoliose idiopática adolescente (EIA)

Saiba como a LEDterapia tem ajudado no tratamento desta patologia

Apesar de pouco conhecida, a escoliose idiopática adolescente (EIA) atinge milhões de pessoas no Brasil e em todo mundo. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 6 milhões de brasileiros, em especial, adolescentes do sexo feminino e 2 a 4% da população mundial possuem a patologia, causada por um desvio de coluna progressivo e sem causa aparente, que pode levar até a uma intervenção cirúrgica. Para chamar a atenção à patologia que acomete muitos adolescentes, junho é o mês de conscientização mundial sobre o diagnóstico.

A escoliose é uma deformidade em curva da coluna vertebral, podendo ou não ser acompanhada de rotação das vértebras. Vista de frente, a coluna vertebral parece reta, porém, quando observada de lado, tem curvaturas fisiológicas na região do pescoço (lordose cervical), do tórax (cifose torácica), da cintura (lordose lombar) e da pelve (cifose sacrococcígea), cujo formato lembra a letra ‘S’.

Segundo o angiologista e cirurgião vascular Dr. Álvaro Pereira, os sinais mais notáveis desse distúrbio estrutural são as assimetrias físicas causadas pela curvatura da coluna vertebral, incluindo ombros caídos ou desiguais; leve inclinação geral para um lado; uma omoplata muito visível; cintura irregular; uma perna pode parecer mais longa que a outra; um lado do quadril pode parecer mais alto que o outro. Também podem ser notados sintomas como dores de cabeça e dores na região lombar; cansaço geral e fadiga por tensão postural, bem como respiração reduzida ou restrita (em casos de escoliose grave).

O tratamento para a escoliose depende da gravidade da deformidade da coluna e varia entre procedimentos não cirúrgicos como o uso de analgésicos, exercícios, observação e órtese a tratamentos mais invasivos como cirurgia. Outra opção de tratamento não medicamentoso é a LEDterapia, que ajuda a melhorar a qualidade de vida de pessoas que sentem dores, em caso de escoliose mais grave, ou em condições de reabilitação após a cirurgia.

O dispositivo de uso domiciliar único no mercado que contém essa tecnologia é o Sportllux; uma manta revestida por luzes de LED. Através do procedimento de fotobiomodulação, ela emite ondas de luz de baixa frequência (vermelha e infravermelha) que penetram diretamente no tecido muscular, promovendo alívio de dores, estimulando a microcirculação da área exposta, além de ter ação analgésica e anti-inflamatória.

O Dr. Álvaro Pereira afirma que quando ocorre a interação da luz LED com os tecidos do corpo há um aumento de ATP (energia) mitocondrial e óxido nítrico. “O ATP auxilia na contração muscular e atua no reparo tecidual das lesões em nervos periféricos, além de aliviar a dor e atrasar o aparecimento da fadiga muscular, podendo ainda ter uma ação protetora sobre o desenvolvimento de dores crônicas e aguda”, conclui o médico.

Dr. Álvaro Pereira – Angiologista formado pela FMUSP em 1978, com residência em Cirurgia Vascular no HCFMUSP, Doutorado em Cirurgia Vascular na Divisão de Bioengenharia do INCOR – HCFMUSP, pós-doutorado no B&H Hospital – Harvard.

Cosmedical

Empresa especializada em oferecer tratamentos seguros e inovadores aos seus clientes, desde terapia capilar à recuperação de musculatura pós esforço físico com o intuito de promover qualidade de vida, sem dor e sem esforço, tudo ao toque de um botão. Atuando com a alta tecnologia e a eficácia da fotobiomodulação por meio de LEDs, a empresa se tornou referência em equipamentos home device. A COSMEDICAL fabrica, comercializa e importa equipamentos para a saúde, desde 2008.

Foto: Divulgação