Take a fresh look at your lifestyle.

Mais de 600 punições foram aplicadas contra estabelecimentos por descumprir decretos de prevenção da Covid-19

-publicidade-

A Central Integrada de Fiscalização (CIF), coordenada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), realizou mais de mil vistorias a bares, restaurantes e eventos em Manaus para verificar o cumprimento dos decretos do Governo do Estado de prevenção à Covid-19. As ações focadas neste trabalho começaram em junho. De lá para cá, 321 espaços foram fechados, 255 receberam notificações ou autuações, e 72 foram interditados pelas equipes compostas por policiais, agentes sanitários e de trânsito.

As ações da CIF ocorrem sempre aos finais de semana, entre sexta e domingo, com base nas denúncias feitas ao 190 e recebidas diretamente pelos órgãos que integram o colegiado da operação. A fiscalização é abrangente, e acontece em todas as zonas da capital.

De acordo com o secretário executivo-adjunto de Gestão Integrada da SSP, coronel Hermes Macedo, a Central exerce um trabalho fundamental na prevenção da Covid-19. Hoje, a dificuldade tem sido os eventos clandestinos, que reúnem grande público. Nos anúncios, os organizadores não colocam endereço e só fornecem o endereço ao participante após pagamento, minutos antes da festa começar. Isso exige um trabalho de investigação redobrado.

Além de desrespeitar todas as normas sanitárias de prevenção ao novo coronavírus, os eventos clandestinos também desprezam regras básicas de segurança, como os itens para prevenção de incêndios e outros acidentes. Quem compra ingresso para participar dessas festas não tem noção do risco que está correndo.

“Muitos buscam formas de burlar os decretos. Eles colocam pessoas nas proximidades do CICC (Centro Integrado de Comando e Controle) para avisar quando as equipes estão saindo. Quando os agentes chegam, eles apagam as luzes, desligam o som, todos os presentes ficam quietos para parecer que não tem ninguém no local”, descreveu.

De acordo com o coronel Hermes, a região do Tarumã, na zona oeste de Manaus, tem sido preferencial para a realização desses eventos clandestinos. “São locais como chácaras, em áreas com estradas não asfaltadas, para dificultar o acesso, e galpões ou casas fechadas para parecer festa particular”, explicou.

Há duas semanas, um evento clandestino reuniu cerca de 2 mil pessoas em plena avenida Nathan Xavier, no bairro Novo Aleixo, zona norte de Manaus. Paredões de veículos parados no local atraíram a multidão, que tomou a rua, fechou o trânsito e subiu em ônibus do transporte coletivo. Foi necessário montar uma operação policial emergencial, com presença das tropas especiais da Polícia Militar. Assim que as equipes chegaram, a multidão de crianças e adolescentes correu pelas ruas do bairro.

“Muitos falam que é aniversário de alguém, porém um aniversário com bar e venda de bebida não existe. São muitas as desculpas que temos que apurar, para cumprir os decretos de forma correta”, enfatiza.

A Central Integrada de Fiscalização é coordenada pela SSP e envolve órgãos do Governo do Estado e da Prefeitura de Manaus. Participam Polícia Militar, Polícia Civil, Defesa Civil estadual, Corpo de Bombeiros Militar, Ouvidoria Geral do Estado, Departamento Estadual de Trânsito e Fundação de Vigilância em Saúde, além da Vigilância Sanitária Municipal (Visa Manaus), Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (Immu) e Casa Militar da Prefeitura.

FOTO: Carlos Soares/SSP-AM

-publicidade-