Benefício é evidente – tanto dentro, como fora do ambiente escolar

De todo o tempo que passamos acordados, quase a metade – 47% – é gasta com dispersão, segundo um estudo da Universidade de Harvard publicado na revista Science. Conseguir com que crianças e adolescentes não dispersem a atenção com frequência em sala de aula tem sido um dos maiores desafios dos educadores na atualidade.

Segundo Larry Rosen, professor da Universidade Estadual da Califórnia e pesquisador da chamada “psicologia da tecnologia”, a capacidade média de concentração da nova geração de estudantes é de 3 a 5 minutos. Depois disso, eles se distraem, sem conseguir terminar seus estudos. O problema tende a se acentuar à medida que os alunos se tornam cada vez mais inseparáveis de tablets e smartphones – e as consequências podem ser ruins para a capacidade de aprender. “Se ficamos trocando de tarefa, nunca passamos tempo o bastante para nos aprofundarmos em nenhuma delas. Três minutos certamente não bastam para estudar”, diz o pesquisador

Por isso, a prática de mindfulness (atenção plena, em tradução livre), uma busca de estar 100% no momento presente e naquilo que se está vivendo, tem se mostrado uma ferramenta excepcional – tanto para melhorar o desempenho acadêmico, como para desenvolver a inteligência emocional dos jovens – e, em muitas escolas, é uma prática que já vem acontecendo. Nos Estados Unidos e na Europa, o número de escolas que dedica algumas horas por semana ao ensino da técnica é cada vez maior, no Brasil ainda são bem poucos, mas deve aumentar.

Para exercitar o mindfulness, o Colégio Positivo adotou este ano a prática de ioga em três unidades bilíngues, localizadas em Joinville (SC) e na capital paranaense. De acordo com a coordenadora do programa Bilíngue do CIPP (Centro de Inovação Pedagógica Positivo), Silvana Baú, a prática é uma das modalidades mais eficientes e requisitadas para praticar o mindfulness. “A ioga é uma modalidade dentro do mindfulness que dá ao aluno a oportunidade de reconectar-se consigo mesmo. Por meio das técnicas, procuramos desenvolver a respiração, contemplação, reflexão e concentração nos estudantes”, explica.

Segundo ela, os resultados já são visíveis e poderão ser aproveitados até quando as crianças entrarem no mercado de trabalho. “Já percebemos que os estudantes estão mais tranquilos, concentrados e energizados. Acredito que até quando forem adultos isso será um diferencial, visto que muitas empresas já estão trabalhando com mindfulness e valorizam a capacidade do profissional de manter o foco e se desligar do superficial”, diz. Nos próximos anos, o Colégio Positivo pretende adotar gradativamente a prática de ioga em todas as suas nove unidades.

De acordo com o professor Paris, do Colégio Positivo Joinville, para atingir o estágio de atenção plena é preciso prática, por isso, é essencial treinar em casa para que a criança crie consciência do momento presente. “É preciso, também, constância e paciência, já que as crianças estão cada vez mais agitadas”, explica. O professor, que ministra aula de Mindfulness no Colégio, dá algumas dicas para exercitar em casa:

Percebendo objetos

Aproveite um passeio em família em um parque, por exemplo, para pedir a criança que fique atenta a tudo o que vê pelo caminho. Explique como vai funcionar a brincadeira. Ao final do passeio, peça-lhe que recorde ao menos cinco coisas que tenha visto ao longo do caminho. Pergunte-lhe como era cada coisa, motivando a criança a perceber as qualidades dos itens citados. A ideia é apreciar as características.

Como enxergo você

O exercício deve ser realizado em duplas. Olhando um de frente para o outro, o objetivo é olhar no olho sem perder o contato, mantendo o foco da concentração. Esse é um excelente exercício para criar vínculo, despertar a empatia e ajudar a criança a desenvolver a emoção.

Respiração da Abelha

Tudo começa com colocar as mãos nas orelhas para encerrar o barulho externo. Depois, a criança deve inspirar profundamente, prestando atenção ao movimento. Então, precisa expirar de forma lenta, pronunciando a letra “m”. A ideia é criar um zumbido, que lembra o som de uma abelha. Esse exercício pode ser feito quando observar que a criança está nervosa e precisa acalmar o pensamento.

Cheire e conte e cheire e sinta

Nesse exercício, entregue à criança algo aromático (gomo de limão ou laranja, sabonete, hortelã). Em seguida, peça-lhe para fechar os olhos e descrever o que sente ao cheirar o objeto. A ideia é que a criança aprenda a focar sua atenção em apenas um dos sentidos. Essa prática é eficaz contra a ansiedade.

Círculo de atenção

Essa atividade é ótima para ser feita em família, já que é preciso um grupo de ao menos cinco pessoas. O responsável por conduzir o jogo deve apresentar um objetivo que todos devem ir passando de um a outro com muita atenção e cuidado. No caso de um sino, por exemplo, o objetivo é não deixar que ele soe. Esse exercício desenvolve a atenção ao que se está sendo feito.

Coma e sinta

Dê a criança algo que ela nunca comeu. Pode ser, por exemplo, um chocolate diferente. Em seguida, explique que ela precisa olhar para a comida, comer pedacinhos, aos poucos, prestando atenção na textura, aroma e sabor. O objetivo é observar como o corpo reage ao alimento. Esse exercício ajuda no desenvolvimento da consciência do momento.

Escovação consciente

Hábitos da rotina como escovar os dentes também podem ser um momento para desenvolver a atenção plena. O objetivo é aproveitar para se concentrar e reparar como a escova se move e o gosto do creme dental. O segundo passo é trocar a mão usada para a escovação.