Take a fresh look at your lifestyle.

Ministério da Saúde afirma que cinco das sete usinas de oxigênio prometidas já foram instaladas no Amazonas

-publicidade-

Outras duas devem entrar em funcionamento nos próximos dias

 

Manaus – Cinco das sete usinas de oxigênio entregues pelo Ministério da Saúde para ajudar a suprir a demanda pelo insumo na rede hospitalar do Amazonas já foram instaladas. Uma está prevista para ser instalada ainda esta semana em Manaus e a outra deverá ser implantada em Manacapuru, município a 68 km da capital amazonense, nos próximos dias. A capacidade de produção de oxigênio das sete usinas será de aproximadamente 2,5 mil metros cúbicos por dia.

Diante do recrudescimento da curva epidemiológica da Covid-19 no estado, o consumo de oxigênio cresceu 300%, apenas na capital. Segundo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a expectativa é que, com a entrada das usinas em funcionamento, a demanda seja equacionada.

“Trabalhamos para equalizar o oxigênio. Medidas no nível estadual, medidas no nível federal. Trabalhamos com os três modais: aéreo, terrestre e fluvial. E hoje, está equalizado”, disse Pazuello, na terça-feira (27/01), ao participar da abertura do Hospital Nilton Lins.

Na ocasião, ele mencionou ainda outras medidas para atender à nova demanda, tais como ampliação da capacidade da White Martins e a requisição de equipamentos pelo Governo Federal, a fim de reforçar o estoque de medicamento na região.

“Estamos trabalhando para revisar toda a rede de gases nos hospitais para reduzir as perdas. São redes antigas e precisam ser trabalhadas para redução de perdas”, pontuou.

USINAS ENTREGUES

O Ministério da Saúde, junto com o Ministério da Defesa, também está dando apoio logístico para o envio de cinco usinas geradoras de oxigênio hospitalar doadas pelo Hospital Sírio Libanês e pela Fundação Itaú. Após a chegada do material na capital, eles serão encaminhados para os municípios amazonenses de Tefé, Lábria, Eirunepé, Tabatinga e Carauari, totalizando uma produção de mais 21,8 mil metros cúbicos de oxigênio por semana.

Na última terça-feira (26/1), começou a funcionar a usina instalada no Hospital Dr. João Lúcio, que atende pacientes com Covid-19. A usina tem capacidade para produzir 3,7 mil metros cúbicos de oxigênio por semana.

A primeira usina doada pelo Ministério da Saúde está em funcionamento no Hospital Universitário Francisca Mendes (HUFM), na zona Norte. Iniciou as operações no último sábado (23/1) e tem capacidade de produção de 2,8 mil m³ de oxigênio por semana.

Outras duas usinas foram instaladas no Hospital Delphina Aziz que começou a funcionar na quarta-feira (27/1), zona Norte da capital amazonense, cada uma com produção de 2,1 mil m³ de oxigênio por semana.

Ao longo da semana, o Ministério da Saúde prevê também, o início de funcionamento da usina instalada no Instituto da Criança do Amazonas (Icam). A sétima usina entregue pela pasta será instalada no Hospital de Campanha de Manacapuru. As duas usinas vão produzir, juntas, 4,3 mil metros cúbicos de oxigênio por semana.

 

Foto: Caio de Biasi/Especial Agência Saúde

-publicidade-