As Principais Notícias do Estado do Amazonas estão aqui!

Ministério Público Federal quer auxílio emergencial por outros bancos no Amazonas

Medida vale até correção de problemas no processo de requerimento

Ação civil pública apresentada à Justiça Federal busca reduzir a disseminação do novo coronavírus e oferecer condições mais dignas para a população amazonense requerer e sacar o benefício

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação civil pública para descentralizar o pagamento do auxílio emergencial no Amazonas, autorizando o saque do benefício em outros bancos e não apenas na Caixa Econômica Federal (CEF). O objetivo é reduzir a disseminação do novo coronavírus e oferecer condições mais dignas à população amazonense para requerer e sacar o benefício.

A ação civil pública pede ainda que a Justiça Federal determine à União, à CEF e à Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev) a adoção de medidas para corrigir irregularidades no processo de requerimento, análise e pagamento do auxílio emergencial instituído pela Lei nº 13.982/20.

A lei, assim como o Decreto nº 10.316/20, estabeleceu que o auxílio seria operacionalizado e pago por meio de instituições financeiras públicas federais. Apesar disso, a União anunciou que o cadastro, a análise, o processamento e o pagamento do benefício seriam realizados unicamente por meio da Caixa Econômica Federal.

A consequência da exclusividade concedida à CEF foi a formação de grandes filas em torno das agências do banco em todo o país, muitas delas estendendo-se por centenas de metros entre calçadas e ruas, decorrentes do pagamento do benefício social, destinado a milhões de brasileiros que se encontram em situação da extrema necessidade.

O MPF aponta, na ação, que o Banco do Brasil – considerado um dos três maiores bancos do país – possui larga capilaridade no Amazonas e dispõe de ampla estruturação física e de pessoal qualificado, podendo oferecer mais racionalidade e conforto aos beneficiários do auxílio emergencial. “Caso houvesse uma diluição desta atividade entre outras instituições bancárias – medida que não encontra óbice legal –, os cidadãos poderiam contar com mais agilidade e menos filas para seu atendimento, favorecendo-se o isolamento social e contribuindo-se para mais eficiência no pagamento”, destaca trecho da ação.

Problemas na análise do benefício e no aplicativo – Além das grandes filas formadas nas agências bancárias, o MPF recebeu diversas reclamações relacionadas à demora na análise dos requerimentos do benefício emergencial e a problemas no aplicativo criado para solicitar o auxílio.

A ausência de resposta sobre a análise da solicitação e a inexistência de canais eficientes para buscar informações são algumas das dificuldades relatadas. Soma-se a isso o fato de o aplicativo exigir muitos recursos dos aparelhos celulares, possuir gargalos e dificultar o acesso à renda emergencial. “O que se vê é uma ineficiência do sistema da Caixa Econômica Federal e da Dataprev em analisar os dados apresentados e realizar os pagamentos em tempo hábil para garantir a sobrevivência dos beneficiários durante o período de pandemia e isolamento social”, afirma o MPF, na ação civil pública.

O MPF pede que a Justiça Federal obrigue a União a implementar, em 15 dias, solução técnica capaz de oportunizar o saque do auxílio emergencial, no Amazonas, por meio da rede disponibilizada pelos demais bancos de varejo que compõem o sistema financeiro nacional, e que impeça a utilização de qualquer outro critério de restrição para concessão do auxílio emergencial que não esteja previsto na Lei nº 13.982/20, como o fato de o requerente ser familiar de pessoa recolhida em presídio.

A ação inclui também pedido para sejam realizados ajustes no processo de análise e concessão do auxílio emergencial, como a definição de prazo para processamento de requerimentos e pedidos de reanálise e para o pagamento do benefício; a solução de problemas indicados nos aplicativos e portais disponibilizados para o requerimento do auxílio; regularização do atendimento para informações por meio dos números de telefone 111, 121 e 158; autorização dos dados do CadÚnico e status de desemprego pelos aplicativos e portais digitais disponibilizados para requerimento e consulta do benefício; e a disponibilização de senhas para saque do benefício, via aplicativo Caixa Tem ou outro mecanismo, de maneira eficaz e com validade por tempo suficiente para que o beneficiário possa efetivamente sacar o auxílio.

O MPF pede que seja determinada multa de R$ 50 mil em caso de descumprimento das medidas que vierem a ser estabelecidas pela Justiça. A ação civil púbica tramita na 1ª Vara Federal, sob o nº 1008881-83.2020.4.01.3200.