A tarefa de cuidar de um idoso nem sempre é fácil. Sentimentos de culpa, de sobrecarga e dúvidas de como cuidar bem são comuns para cônjuges, filhos, netos e sobrinhos que cuidam de seus familiares idosos. Por outro lado, cuidar com amor e compreensão pode ser também uma experiência transformadora na trajetória de vida das pessoas que buscam crescimento pessoal. Para evitar que a rotina seja exaustiva é necessário que o familiar cuidador se mantenha bem informado. Dessa maneira, uma das fundadoras da plataforma Plug and Care e especialista na área de Gerontologia, Monica Perracini, tira dúvidas sobre dez Mitos e Verdades mais comuns no cuidado ao idoso. Confira:

1 – Idoso tem que tomar banho todo dia?

Mito! É fundamental que seja realizada uma higiene íntima frequente, de forma a evitar infecções urinárias e mau cheiro. Porém, a necessidade diária de banho é relativa. “Sabemos que as pessoas idosas, especialmente em dias frios não gostam de tomar banho. Muitos não percebem que estão cheirando mal. Cerca de 75% dos idosos com 80 anos ou mais tem um declínio importante do olfato. Mas isso não justifica a pressão dos familiares para que os idosos tomem banho todos os dias. Aqui vale o bom senso e o hábito de cada um. O importante é manter a higiene íntima, que se mal feita pode ocasionar as infecções urinárias de repetição tão comum nas mulheres idosas”, explica Monica Perracini.

2 – É mais seguro calçar o idoso com tênis para evitar quedas?

Mito! O calçado deve ser o mais confortável ao idoso, de modo que ele sinta firmeza e segurança ao andar. Para àqueles que passaram muitos anos de sua vida utilizando outro tipo de calçado, o tênis pode não ser bem aceito, gerando constrangimento e dificuldade no caminhar. Nada de calçados largos que saiam facilmente do pé ou ainda chinelos e sandálias sem alça na parte de trás. Os familiares devem ficar atentos a sapatos com muitos anos de uso, pois além de largos podem ficar gastos na sola.

3 – Idosos não sentem tanta sede?

Verdade! A desidratação ocorre com mais frequência com pessoas de idade avançada. Isso acontece, pois com o envelhecimento há um declínio na sensação de sede, e não por esquecimento. Segundo Monica Perracini, “existem algumas mudanças fisiológicas no organismo do idoso que ficam menos eficientes, deixando-o mais vulnerável a ficar desidratado rapidamente. Idosos sentem menos sede e consequentemente bebem menos água por conta própria. É importante que o familiar estimule que eles se hidratem, bebendo água, chás, café ou sucos durante o dia. A desidratação pode ser a causa de muitos problemas e o seu cuidador nem sempre se dá conta que pode ser decorrente de desidratação, como boca seca, tontura, fraqueza e até aumento dos batimentos cardíacos.”

4 – É normal um idoso ficar cansado e dormir a tarde inteira?

Mito! Uma soneca de 30 minutos nas primeiras horas da tarde é até recomendada, porém durante muito tempo é sinal de alerta. O excesso de tempo sentado ou deitado é totalmente prejudicial à saúde, em qualquer idade. Ficar assistindo televisão e cochilar entre um programa e outro também deve ser evitado. Dormir de dia pode significar pior sono durante à noite. Uma forma de colocar a preguiça de lado e promover uma melhora na qualidade de vida é realizar pequenas caminhadas ao ar livre, benéfica tanto ao familiar cuidador quanto ao idoso.

5 – Tomar um remédio após/antes do horário estabelecido pelo médico é prejudicial?

Verdade! É necessário respeitar o tempo do efeito do remédio, entre as doses recomendadas previamente pelo médico do idoso. Antecipar “somente uma hora” ou aguardar o horário da refeição para ingerir o remédio pode atrapalhar a sua absorção e o seu funcionamento. Atualmente, existem no mercado dispensadores de remédios e aplicativos que podem auxiliar na organização das tarefas relacionadas ao controle de remédios.

6 – Todo idoso com problema de equilíbrio deve usar bengala?

Mito! A bengala deve ser indicada após avaliação de um fisioterapeuta, que inclusive o ensinará a caminhar com este novo instrumento. “Muitos idosos recebem orientação para comprar uma bengala por indicação de um médico ou por palpite de familiares e conhecidos. No entanto, uma bengala mal indicada pode ser muito prejudicial para o idoso, podendo ocasionar quedas. Não só a altura da bengala e o lado de uso são importantes. Questões relacionadas ao alinhamento do corpo, eficácia das reações de equilíbrio e aspectos cognitivos como memória visual e atenção precisam ser avaliados”, alerta Perracini.

7 – Canja é uma refeição ideal para o idoso?

Mito! Embora seja nutritiva, a tradicional canja de galinha precisa de cuidados adicionais ao ser oferecida para o idoso. Na verdade não é só a canja, mas qualquer prato que contenha muitos pedaços pequenos e diferentes consistências é perigoso. Os idosos com dificuldades de mastigação e de deglutição podem engasgar com maior frequência e com isso apresentar infecções respiratórias frequentes. O familiar deve ficar também ficar atento a pigarro e tosse durante as refeições, que também são sinais de problemas que devem ser investigados.

8 – Idoso saudável tem que fazer academia?

Mito! É necessário respeitar a individualidade de cada um, e nem todos têm o perfil para frequentar uma academia. Fazer exercícios é importante, mas respeitando seus limites e atividades que proporcionem, principalmente, satisfação. Exercícios em academia feitos sem a supervisão próxima de um profissional podem causar lesões articulares e musculares.

9 – É verdade que idoso não precisa jantar todo dia?

Verdade! Muitos idosos gostam de substituir o jantar por um lanche. Basta equilibrar os nutrientes que fazem parte desse lanche, evitando excesso de carboidratos e equilibrando com outros nutrientes necessários, como verduras, legumes e proteínas. O ruim é quando esse lanche é pobre em nutrientes. O idoso deve comer de forma equilibrada e saudável.

10 – Pijama é a roupa ideal para o idoso?

Mito! O ideal são roupas confortáveis. É preciso entender que manter uma autoestima elevada é bom para saúde e importante para nosso bem estar. O idoso deve se manter confortável e, sobretudo, feliz. “Normalmente, usamos pijama durante o dia quando estamos doentes. Essa memória é parte da experiência vivida de muitos idosos e alimenta sintomas depressivos e apatia. É importante que o familiar ajude o idoso a manter o cuidado com sua aparência e o estimule a escolher que roupa vestir-se todos os dias”, esclarece Monica Perracini.

Sobre a Plug and Care

A Plug and Care foi criada por experientes profissionais da área de Gerontologia para solucionar as necessidades dos familiares cuidadores de idosos. É uma plataforma inovadora que conecta, em rede, todos os envolvidos na promoção do bem estar e da saúde dos idosos, e também proporciona acolhimento aos seus familiares. A Plug and Care desenvolve conteúdos qualificados, disponibiliza um e-commerce totalmente voltado ao cuidado e oferece um aplicativo exclusivo para planejar, dividir tarefas e garantir excelência no tratamento do idoso. Em 2018, foi selecionada pela Aging 2.0 como uma das 10 startups inovadoras na Chamada de Negócios da Longevidade. www.plugandcare.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here