Mundo SENAI aproxima jovens do mercado de trabalho

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI Amazonas) continua de portas abertas, nesta sexta-feira (9), para mostrar aos jovens e futuros profissionais que querem adentrar no mercado de trabalho e descobrir o que é a Indústria 4.0 e o que ela está modificando no mundo. No evento, denominado Mundo SENAI, alunos apresentam projetos, criados no SENAI, com soluções para a indústria.

Para o diretor regional do SENAI Amazonas, Rogério Pereira, ainda existe uma incompreensão do papel da educação profissional tecnológica dentro de um contexto de desenvolvimento na sociedade brasileira, principalmente quando comparado a países desenvolvidos economicamente, que dão valor a formação técnica, fundamental para garantir o desenvolvimento desses países.

Pereira diz que o Brasil também precisa de mão de obra qualificada fundamental, mas ele explica que há um preconceito grande da sociedade em relação à formação técnica. “Conseguimos ver isso quando os pais escolhem a profissão de seus filhos, quer que sejam advogados, médicos, menos que seja parte importante do processo de desenvolvimento industrial”, frisou o diretor do SENAI.

Para atender aos anseios da indústria, os alunos apresentaram vários projetos, como é o caso da aluna do curso Técnico de Mecatrônica, Eryka Karoliny Barbosa, 24 anos, que pretende cursar Engenharia de Programação, em 2019. A estudante apresentou, com mais quatro colegas, o projeto “Máquina seletora de EPI (Equipamento de Proteção Individual)”, com objetivo de aumentar a eficiência no processo de gestão do EPI, reduzir custos e melhor gerenciamento da entrega dos equipamentos para os trabalhadores.

“Todos os projetos começaram do zero, de acordo com a necessidade da indústria, e no decorrer do curso, os alunos terão a oportunidade de melhorar seus projetos, sendo possível apresentar para a indústria, e quem sabe, conseguir uma renda com o equipamento criado por eles”, disse a professora do curso técnico de mecatrônica, Priscila Rodrigues.

Outro projeto apresentado pelos alunos, da turma de técnico de mecatrônica, foi o “Enfermeiro mecatrônico”, equipamento criado para suprir necessidade no mercado que todos têm, um pronto-atendimento mais ágil, com mais precisão no diagnóstico para tratamento mais preciso do paciente, e que possa ser levado para qualquer lugar, inclusive para as regiões mais remotas, já que será portátil, e com preço acessível, explicou o representante da equipe Paulo Duarte, 28 anos.

“Se orgulhem em ser SENAI, se esforcem para ser o melhor que vocês podem. O SENAI ainda é o melhor lugar para vocês se qualificarem, não deixem de aproveitar as oportunidades e o mais importante, salvem a Zona Franca de Manaus (ZFM)”, disse o empresário Renato Sátiro.

Com a palestra “Gestão no Mundo VUCA”, com o doutor e mestre em Engenharia, Renato Sátiro Junior, mostrou os principais desafios corporativos sobre os quais os profissionais de gestão de projeto estão submetidos por conta da presença de características únicas que têm marcado o atual mundo corporativo, como a volatilidade, a incerteza, a complexidade e a ambiguidade, a chamada VUCA (volatility, uncertainty, complexity and ambiguity).

Entre muitas características que atrapalham o desenvolvimento de uma boa gestão, uma delas é a empatia, não conseguir ficar no lugar do outro, e saber a importância que é a participação de cada integrante no grupo de trabalho.

“Saber reconhecer o papel de cada integrante é essencial para uma boa gestão, recorrer aos mais velhos, e consequentemente, mais experientes, não é vergonha, é saber reconhecer seus limites”, disse Junior.