Na manhã deste sábado (10), o Nacional Futebol Clube realizou uma seletiva para escolher o elenco azulino que vai disputar o Campeonato Amazonense de Futebol Feminino deste ano. No total, 200 garotas duelaram pelo sonho de defender as cores do Leão da Vila Municipal. A manhã foi cheia de emoção, notava-se o brilho no olhar de cada uma. Em algumas, o nervosismo mexeu tanto que as lágrimas desceram. Mas, no final todas saíram satisfeitas com o que conseguiram apresentar.

Na próxima sexta-feira (16), o clube vai divulgar o nome das selecionadas e definir se haverá necessidade de outros testes.

O coordenador de futebol feminino do clube, Olavo Dantas, revela que o objetivo foi alcançado. Muitas mulheres tiveram a oportunidade de mostrar seus talentos.

“Nós queremos aqui agradecer a todos que colaboraram para que essa seletiva pudesse acontecer. Saiu tudo como esperávamos. Fechamos com 200 garotas inscritas e todas fizeram o teste. Na sexta vamos divulgar o resultado pelo site oficial do clube”, informa.

Direto da Ilha

Em busca de realizar seu sonho de ser jogadora profissional, a estudante de jornalismo, Natiely Souza, 20, atacante, viajou 369 km de Parintins até Manaus para participar da seletiva do Naça. Ela conta que o pai jogou profissionalmente e, ao contrário do que aconteceu com ele, hoje ela recebe todo apoio e incentivo da família para seguir carreira no futebol.

“Meu pai jogou profissionalmente, foi chamado para vestir camisas de peso, mas seus irmãos mais velhos o orientaram a buscar outro emprego que desse retorno financeiro. Hoje, minha família me apoia e acredita em mim. É a primeira seletiva que vou participar e estou confiante, pois sei que dei o meu melhor”, revela a atleta após seu teste.

Ao contrário de Natiely, a meia atacante, Ketlen Souza, já teve outras oportunidades para mostrar seu talento. Aos 21 anos, ela já defendeu o Iranduba da Amazônia, pelas categorias de base. A jogadora ressalta que a experiência tira um pouco da ansiedade e que, apesar de ser uma disputa, todas torcem umas pelas outras.

“Já joguei pelo Iranduba e outros campeonatos. A experiência traz menos ansiedade, mas o que a gente quer é que todas nós tenhamos espaço para mostrar nosso talento. Quem for escolhida, sem dúvida dará o seu melhor. Se eu passar, ficarei muito feliz, se não, vou continuar tentando” disse.

A ex- Iranduba garante que tem muitos talentos pelo Amazonas e admite que gostaria que houvessem mais seletivas para que outras meninas pudessem ter a oportunidade de mostrar suas habilidades.

“ Gostaria que tivessem mais seletivas. Virmos hoje pela quantidade de participantes que tem mulheres querendo jogar. Quanto mais testes houverem, mais talentos iremos descobrir e consequentemente o futebol feminino vai crescer”, completou.

Vieram mulheres de todas as zonas da cidade de Manaus, assim como do interior do estado