As Principais Notícias do Estado do Amazonas estão aqui!

No AM, facção invade aniversário de criança e mata casal na frente de convidados

A mulher estava grávida de seis meses e não foi poupada pelos assassinos

Em Lábrea, um casal foi morto na noite do último sábado (13) enquanto comemorava o aniversário de 3 aninhos do filho; A execução aconteceu no meio da festa e na frente de convidados, que ficaram apavorados e saíram correndo do local. A mulher morta estava grávida de seis meses.

O crime aconteceu na casa da família, localizada na Rua Domingos Pinheiro, no bairro Pantanal. Dois homens encapuzados invadiram a casa.

Ronaldo da Silva Carneiro, de 25 anos, conhecido como “Branco”, e Jhuliffer Karine dos Santos Dias, 23 anos, não resistiram aos ferimentos e morreram ainda no local da festa. A polícia recebeu informações que o casal pode ter sido morto por conta de um acerto de contas do tráfico de drogas. Porém, a polícia acredita que é muito cedo para fazer qualquer afirmação sobre a motivação do duplo homicídio.

Dinâmica do crime

Segundo a Polícia Militar, homens armados invadiram a festinha da criança e efetuaram disparos contra o casal. O alvo seria apenas Ronaldo, mas os tiros também acabaram atingindo Jully – que estava ao lado do marido. A criança de 3 anos não foi atingida, mas viu os pais morrerem.

Na hora do tiroteio foi um desespero entre as pessoas que estavam no local. As vítimas ainda foram levadas para o Hospital Regional de Lábrea, onde chegaram sem vida. Após a execução, os assassinos fugiram.

Marcado para morrer

Outra informação repassada à polícia é que o pai da criança estava marcado para morrer, pois ele seria integrante de uma facção criminosa.

“Então, ele foi morto por uma organização criminosa rival ou pode ter sido morto pelos companheiros da própria facção. Estamos trabalhando para identificar os suspeitos e o que de fato aconteceu. Nós acreditamos que a possibilidade mais concreta é que eles tenham sido mortos pelos ex-companheiros da facção porque saíram do mundo do crime e queriam viver uma vida normal, mas tudo ainda vai ser esclarecido”, declarou um dos investigadores do município.