Número de empresas registradas com serviço de inspeção estadual cresce no Amazonas

O número de empresas registradas no Serviço de Inspeção Estadual (SIE) que comercializam produtos de origem animal dentro do Estado cresceu durante este ano no Amazonas. De acordo com a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf), órgão vinculado à Secretaria de Produção Rural (Sepror), recentemente, 22 empresas dos municípios de Manaus, Tefé, Parintins, Anamã, Careiro da Várzea, Iranduba e Autazes saíram da informalidade e passaram a operar com o SIE, oportunizando aproximadamente 100 empregos diretos e indiretos.

Formalizando empresas – De acordo com o diretor-presidente da Adaf, Sergio Muniz, o órgão vem atuando, na formalização de pequenas empresas sob o ponto de vista sanitário, abatedouros, entreposto carne, fábricas de embutidos, laticínios e queijarias, entreposto de pescado, granjas avícolas e entrepostos de mel. Ele reforça ainda que o SIE representa a garantia de saúde e que a população deve exigi-lo na hora da compra do produto.

“Nossa missão é priorizar essas micro e pequenas empresas, que têm impulsionado o setor primário do Estado e têm despertado nos empresários com afinco o interesse de investir e de se regularizarem junto à Adaf. Tanto que hoje é possível observar nas feiras e supermercados muitos produtos com o selo do serviço”, destacou Sergio Muniz.

Empresas com SIE – Atualmente, 145 empresas estão ativas no Estado com o Serviço de Inspeção Estadual. Dessas, 22 são estabelecimentos que comercializam carne, 11 matadouros, um deles sendo de suínos, 1 de produtos não comestíveis, 34 de laticínios, 40 entrepostos de pescado e 32 entrepostos de ovos e quatro de mel. O Estado, através da Adaf vem executando ações que busquem a equivalência do SIE junto ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SISBI-POA), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para garantir a comercialização dos produtos produzidos no Estado em todo Brasil. O SISBI-POA, que faz parte do Sistema Unificado de Atenção a Sanidade Agropecuária (Suasa), padroniza e harmoniza os procedimentos para garantir a inocuidade e segurança alimentar.

Crescimento – Segundo Sergio Muniz, o crescimento das empresas registradas com o SIE no Amazonas tem sido reflexo do trabalho de orientação e fiscalização da Adaf no Estado. O órgão de defesa tem como papel fiscalizar e inspecionar sob o ponto de vista industrial e sanitário, todos os produtos de origem animal. “Para a eficácia desse trabalho desenvolvemos ações orientação de educação sanitária no combate à clandestinidade e à fraude de produtos”, pontuou.

Somente neste ano, foram realizadas 9 apreensões, estimando quase 31 mil toneladas de produtos apreendidos que estavam fora das condições de higiênico-sanitárias e inadequados ao consumo humano, entre fatiados, pescado e carne e, 4 interdições em estabelecimentos que não possuíam SIE e, portanto, não davam garantia de sanidade aos produtos lá fabricados.

De acordo com o último relatório da Adaf, foram fiscalizadas e inspecionados, aproximadamente 247 mil toneladas de bovídeos (bovinos e bubalinos) e mais de 100 toneladas de suínos. Assim como também 2.500 toneladas de pescado, além das outras indústrias.

Processos – Atualmente na Adaf, 455 estabelecimentos estão em processo para obtenção do SIE/AM. Empresários que estejam interessados em se regularizar devem comparecer à agência de defesa para solicitar a vistoria da equipe técnica no local, sendo assim, a Adaf, recomendará os requisitos gerais que devem ser seguidos na indústria para favorecer a qualidade do produto, relacionados à infraestrutura, os padrões higiênico-sanitários e as boas práticas de fabricação do alimento.

“A ideia é prezar sempre pela qualidade do produto de origem animal e, acima de tudo, contribuir para a segurança alimentar da população. Por isso, foram contratados mais médicos veterinários, reforçamos a frota de veículos, computadores e lanchas foram adquiridos e, com o concurso público iremos dar um salto na questão de acompanhamento e controle das empresas que estão sob o SIE.”, pontuou Muniz.

Últimas certificações – As últimas certificações concedidas à estabelecimentos pela Adaf, ocorreram no dia último dia 17 deste mês, em Parintins, onde foi inaugurada a primeira queijaria flutuante do Baixo Amazonas. A primeira queijaria no Estado foi inaugurada em Autazes. Ao todo, o Amazonas possui 4 queijarias flutuantes, duas em Autazes, uma no Careiro da Várzea e uma agora na terra dos bois bumbás.

“Essas queijarias flutuantes vêm ao encontro de uma característica regional que só o Amazonas possui através do bioma de várzea, e sendo flutuante, possibilita o deslocamento para a terra firme”, destacou Muniz.

No último dia 18, mais um estabelecimento flutuante foi certificado. Desta vez, o Entreposto de Pescado Pinheiro e Silva LTDA-EPP. Por sua característica de fácil deslocamento, o empreendimento funcionará, inicialmente em Manacapuru, após esse período de teste, a unidade de beneficiamento de pescado seguirá para Anamã, atendendo esse município e regiões do entorno, tendo uma capacidade de produção de 20 toneladas dia.

Para Raimundo Chicó, empresário do ramo, o estabelecimento é motivo de alegria. Ele já possui duas unidades de beneficiamento de pescados com Serviço de Inspeção Estadual (SIE), que estão localizados nos municípios de Fonte Boa e Manacapuru. Agora, possui a terceira, gerando aproximadamente 130 empregos diretos.

“Quando penso num negócio como esse, consequentemente eu gero emprego, penso naqueles pescadores e colaboradores, e fazendo isso contribuo para a receita econômica do nosso Estado. Por isso, vejo a Adaf como um órgão sério e respeitado, enxergo como minha parceira e quero ser exemplo para eles e para muitos que estão iniciando”, elogiou Raimundo Pinheiro, empresário que possui também um Frigorifico de Pescado com o Serviço de Inspeção Estadual (SIF).

FOTO: DEYSERREEN COSTA/DIVULGAÇÃO