Dados da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) apontam para uma queda nos números de mortes violentas no Estado, no início deste ano. No primeiro trimestre, os indicadores de Crimes Violentos Letais Intencionais (CLVI) caíram 5,2% em comparação a igual período de 2018. O CVLI considera os números de homicídios, latrocínios e lesão corporal seguida de morte.

O número de homicídios registrado em janeiro, período de transição, quando a nova administração estava começando a implantar as novas diretrizes de segurança, influenciaram para que o resultado não fosse melhor. Contudo, a partir de fevereiro, houve redução da criminalidade, tanto em casos de homicídio e latrocínio, como nos casos de roubos.

Em fevereiro, logo após a verificação do indicador, o secretário de Segurança, coronel Louismar Bonates, determinou que as polícias realizassem a operação Pronta Resposta, ocasião em que 52 pessoas foram presas, a maioria por crimes como homicídio, latrocínio e tráfico de drogas.

De janeiro a março deste ano, foram registrados 234 crimes de homicídio, latrocínio e lesão corporal seguida de morte no Amazonas, contra 247 casos em 2018, conforme levantamento junto ao Sistema Integrado de Segurança Pública (Sisp). A redução é resultado das ações desencadeadas pela SSP-AM, na avaliação do secretário de Segurança.

Em três meses, foram realizadas nove grandes operações integradas, sendo sete na capital amazonense e outras duas no interior do Estado, resultando em 343 prisões e na apreensão de 27 adolescentes e cerca de R$ 80 mil em espécie.

No interior do Estado, houve operações em Lábrea (distante 702 km da capital) e em Manacapuru (a 68 km de Manaus), com a realização da Operação Liberdade. De acordo com o secretário, as operações deverão continuar, tanto na capital quanto nos demais municípios amazonenses, com a filosofia de “tolerância zero” contra a criminalidade, especialmente contra as organizações criminosas.

Crimes – O levantamento aponta para uma queda nos três indicadores CVLI. Em três meses, o número de homicídios caiu 4,4% no Amazonas, com destaque para a capital amazonense. Na cidade, este indicador atingiu o menor nível desde 2011, com 57 registros.

O crime de latrocínio, que é o roubo seguido de morte, teve queda de 7,1% no número de registros em todo o Estado. A queda reflete as ações cobradas pelo governador do Estado, Wilson Lima, que destacou as medidas durante o balanço dos cem primeiros dias de governo. Somente na capital, o número de latrocínios chegou ao menor nível desde 2014 para o primeiro trimestre.

Já as lesões seguidas de morte tiveram uma queda ainda mais significativa, de 28,5%, considerando os números de Manaus e dos municípios do interior.

Tráfico – Mais da metade dos homicídios registrados na capital do Amazonas tem relação com o tráfico de drogas e a falta de depoimentos de testemunhas e familiares dificulta a elucidação dos crimes, segundo a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestro (DEHS).

Com reforço nas ações policiais, o volume de drogas apreendidas já passou de 3 toneladas nos três primeiros meses, com uma média de uma tonelada apreendida por mês. Somente em março, o total de apreensões cresceu 276%, com 929kg.

Nesta quinta-feira, a Polícia Civil apreendeu outras 1,2 toneladas de maconha tipo skunk durante ação na zona rural de Manaus.