Take a fresh look at your lifestyle.

-publicidade-

-publicidade-

Obras do viaduto do Manoa chegam a 30% das adequações técnicas

A Prefeitura de Manaus, por meio da equipe da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), inspecionou as obras no complexo viário Professora Isabel Victoria, situado no acesso ao conjunto Manoa, na avenida Max Teixeira, zona Norte. A obra já atinge cerca de 30% das adequações apontadas por laudo técnico elaborado pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas (Crea-AM).

Na primeira etapa da readequação do equipamento viário, já foi executada a concretagem de tabuleiro. Nos próximos dias será a vez do serviço de recapeamento dos trechos em cima do elevado e, posteriormente, dos encabeçamentos (rampas) e sinalizações. Ao todo, serão utilizados 150 metros cúbicos de concreto armado. Nesta segunda-feira, 22/3, as equipes de engenharia formadas pelos consórcios das empresas J Nasser engenharia e Soma, responsáveis pela obra, iniciaram a fresagem da alça (retirada do pavimento antigo), importante etapa do trabalho.

De acordo com o vice-prefeito e secretário da Seminf, Marcos Rotta, a obra do viaduto do Manoa não será entregue à população manauara, enquanto todas as adequações previstas em laudo técnico do Crea forem integralmente cumpridas, de acordo com determinação do prefeito David Almeida, que está atuando mais uma vez com vistas à segurança do projeto e transparência no processo.

“Nós estamos inspecionando essa obra com muita cautela e empenho, para que ela só seja entregue com total segurança à nossa população, portanto, não faremos nenhuma inauguração precipitada. Nossas prioridades são segurança e respeito às normas técnicas”, garantiu Rotta.

As readequações quanto às normas técnicas de engenharia, na obra do viaduto do Manoa, fazem parte de um conjunto de medidas determinadas pelo prefeito David Almeida, após a constatação de falhas técnicas apontadas no laudo do Crea. As medidas visam proporcionar a segurança de motoristas, tal como de usuários de transportes coletivos e pedestres, que utilizam as passarelas que compõem o complexo, sob a responsabilidade das empresas do consórcio.

Texto – Sofia Fontes / Seminf
Foto – Marcio Melo / Semcom

-publicidade-