Órgãos de segurança firmam acordo integrado por meio do Comitê Interestadual de Recuperação de Ativos

O Secretário de Estado de Segurança Pública, coronel Amadeu Soares, em conjunto com a Polícia Civil, representada pelo Delegado Geral Adjunto, Ivo Martins, e os promotores de justiça Daniel Brito Leite e Carolina Maia reuniram na manhã de segunda-feira (05/11), na sede da Procuradoria Geral de Justiça, para firmar acordo de trabalho integrado por meio do Comitê Interestadual de Recuperação de Ativos (CIRA).

De acordo com o secretário de segurança, o trabalho da Cira é importante para deliberar uma agenda positiva de recuperação de ativos e enfrentamento sobre os crimes tributários. “Nós vamos dar uma grande contribuição para que o estado possa recuperar ativos e eliminar as fraudes tributárias dentro do estado do Amazonas. Vamos deixar a delegacia fazendária operacional para atuar contra esse tipo de crime e fazer uma atuação preventiva”, afirmou.

O delegado Ivo Martins afirmou que a Delegacia Especializada de Administração Pública e Fazendária, comandada pelo delegado André Sena, está montando um corpo de servidores técnicos para trabalhar com conjunto com o comitê. “É importante para o estado ter a delegacia fundiária funcionando com servidores capacitados para as questões que envolvem recuperação de ativos, lavagem de dinheiro”, disse.

Segundo o promotor de justiça, Daniel Brito Leite, a Cira atua, além de recuperação de ativos, mas também com quebra de sigilo bancário, combate à sonegação fiscal e outros tipos de crimes fiscais. “No futuro, queremos criar uma estrutura única onde os órgãos de segurança, o Ministério Público e a Sefaz possam trabalhar e dar mais fluidez aos processos”, garantiu.

CIRA: O Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos foi criado em 11 de abril de 2017, com a atribuição de propor medidas administrativas e judiciais a serem implementadas pelos órgãos e instituições públicas para aprimoramento das ações e busca da efetividade da prevenção e combate aos crimes de ordem tributária, econômica e contra relações de consumo, lavagem de capitais e de organizações criminosas, bem como a recuperação de ativos, facilitando a troca de informação entre os órgãos signatários do Termo de Cooperação Técnica n° 001/2016.