O atendimento em saúde pública no Brasil pode piorar depois da saída de profissionais cubanos do programa Mais Médicos. Essa é a opinião de 49% dos brasileiros ouvidos na pesquisa Datafolha, divulgada nesta quinta-feira (3). O levantamento foi feito para medir o impacto da saída dos estrangeiros, após o presidente Jair Bolsonaro estipular novas condições para o funcionamento do programa no País.

Segundo Bolsonaro, a continuidade foi condicionada “à aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos e a liberdade para trazerem suas famílias.” De acordo com o presidente, Cuba não aceitou.

Ainda segundo o levantamento, 38% dos que responderam à pesquisa avaliam que a saúde pode melhorar após a saída dos cubanos, enquanto 8% acham que o setor ficará igual. O balanço mostra ainda que a avaliação negativa da saída dos estrangeiros é maior entre os mais jovens e entre moradores do Nordeste. A região tinha a maior proporção de médicos cubanos atuando até então. Por outro lado, a expectativa de melhora na saúde do país aumenta entre pessoas com 60 anos ou mais e moradores das regiões Centro-Oeste e Norte.

Outro fator avaliado na pesquisa mostra que a opinião sobre a saída dos médicos cubanos muda quanto à preferência partidária dos entrevistados. No total, 70% dos que se dizem simpatizantes do PT avaliam que a prestação de serviço na saúde deve piorar com o fim da participação dos cubanos no Mais Médicos. Esse número, no entanto, cai quando a percepção é feita por aqueles que apontam pelo PSL – partido de Bolsonaro – como preferência. Nesse caso, a taxa é de 26%.

O Datafolha ouviu 2.077 pessoas em 130 municípios brasileiros. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. As entrevistas foram feitas nos dias 18 e 19 de dezembro. O programa Mais Médicos foi criado há cinco anos e, até então, cerca de 8.500 médicos cubanos atuavam no programa.

Reportagem, Marquezan Araújo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here