Transformar pela educação, garantindo ensino de excelência e ampliando oportunidades. Dentro dessa proposta, o projeto de capacitação técnica e comportamental direcionado a pessoas com deficiência (PCDs), idealizado pelo Samsung Instituto de Desenvolvimento para a Informática da Amazônia (Sidia) em parceria com a Fundação Matias Machline, formou 16 alunos do curso técnico profissionalizante em Telecomunicações.

Nesta terça (29), os 16 alunos da primeira turma receberam o certificado de conclusão, após um ano e 11 meses de aulas. A iniciativa recebe o investimento oriundo da verba de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (P&D) que é regido pela Lei de Informática (Lei 8.248/91) e contribuiu para aumentar a empregabilidade e perspectiva de carreira para esses profissionais.

A diretora educacional da Fundação Matias Machline, Nancy Cavalcante, ressalta que o curso está alinhado com as diretrizes institucionais do projeto social.

“A Fundação cumpre, mais uma vez, o seu papel. Estamos muito felizes em fazer parte de um momento tão importante para esses alunos. Foi uma turma muito vitoriosa, vários professores elogiaram o comprometimento e a força de vontade dos estudantes. Esse é um novo começo para eles, a fim de que cresçam cada vez mais na carreira profissional”, diz Nancy.

De acordo com a superintendente do Sidia, Vânia Thaumaturgo, uma segunda edição já está sendo planejada. “É uma grande honra realizar esse projeto e contribuir com o crescimento profissional dessas pessoas, vários dos profissionais que estão se formando nesta turma passaram a ser nossos funcionários ao longo do curso”, afirma Vânia.

Para a coordenadora de Desenvolvimento Organizacional do Sidia, Ana Ferreira, o trabalho em conjunto com a Fundação Matias Machline merece ser comemorado. “Essa parceria deu muito certo, principalmente porque a Matias Machline é uma escola renomada na capital e possui muita experiência em cursos técnicos em Telecomunicações. Hoje os estudantes são mão de obra mais que especializada”, garante Ana.

Um dos destaques da turma, Matheus Silva, 21 anos, foi escolhido como orador da turma de formandos. Durante o curso, ele passou no Sidia, empresa onde trabalha, de assistente técnico a técnico júnior. “Todo conhecimento é válido, porque o mercado de trabalho está cada vez mais exigente. Sempre busquei crescer dentro da empresa e só me faltava o diploma. Agora, já tenho”, comemora Matheus.

Já para Graça Meireles, de 49 anos, que é da área administrativa, fazer o curso significou superação. “Não me via em outra área que não fosse administrativa, mas agora vou aproveitar esse aprendizado”, conta Graça.

Sobre a lei

A Lei de Cotas, de 1991, e a Lei Brasileira de Inclusão, de 2015, garantem o direito ao trabalho às pessoas com algum tipo de deficiência (física, visual, auditiva e intelectual). Em todos os “tipos de deficiência”, existem aquelas com maior ou menor comprometimento e outras que não apresentam necessariamente manifestações corporais.

Sobre o SIDIA

O SIDIA – Samsung Instituto de Desenvolvimento para a Informática da Amazônia é um centro de P&D localizado em Manaus, responsável por implementar soluções inovadoras para o mercado local e global por meio de atividades de pesquisa e desenvolvimento. Atua no desenvolvimento e qualidade de software embarcado para celulares, tablets, novas tecnologias vestíveis (wearables) e smart TVs, aplicativos para óculos de realidade virtual, realidade aumentada, inteligência artificial e criação de games de classe mundial. Para saber mais, visite o site www.sidia.org.br.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here