Take a fresh look at your lifestyle.

PARTO: Conheça os riscos de uma cesariana desnecessária

-publicidade-

Na hora do nascimento do filho, muitas mulheres abrem mão do parto natural e escolhem a cirurgia cesariana por ser rápida e indolor. Mas essa opção aumenta o risco não só de uma infecção, mas de várias complicações pós-parto, conforme enumera a coordenadora da Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Esther Vilela:

“Infecção, o risco de hemorragia aumentado, o risco do ato anestésico que pode dar aí morte pela anestesia ou morbidade pela anestesia e os riscos em longo prazo de aderência, de acretismo placentário que é a placenta grudar no útero e também placenta prévia e de endometriose que são riscos inerentes à cesárea, principalmente, cesáreas de repetição, risco aumentado para o próximo parto e problemas com a fertilidade.”

A coordenadora de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Esther Vilela, afirma também que o parto cesariana traz riscos para a relação da mãe com o bebê:

“Porque uma cesariana dificulta o vínculo inicial mãe e bebê, dificulta a descida do leite, o contato pele a pele e a amamentação. Então, ela tem mais risco de ter problemas na amamentação e no vínculo mãe e bebê, riscos maiores de ingurgitamento mamário.”
A cirurgia cesariana foi a escolha da contadora, Silvia Cimas, mas ela conta que não pretende ter outro filho por esse método:
“Eu não quero mais por experiência também de colegas que tiveram filhos no mesmo período que eu, elas tiveram uma recuperação muito mais rápida, ficaram já bem pra fazer a amamentação, enquanto eu demorei mais. Aquele medo que eu tinha inicialmente foi todo caído por terra, pra mim, é o seguinte, o parto normal é a melhor opção pra mulher. Quero experimentar, acho que vai ser mais sadio e para meu filho ou filha.”
Ainda de acordo com a coordenadora da Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Esther Vilela, em algumas situações, a cesariana é única via de parto permitida para salvar a vida da mãe ou do bebê. Mas, em circunstâncias normais, o parto natural sempre será a melhor opção para a mulher e o recém-nascido.
Reportagem, Ana Cláudia Amorim

-publicidade-