25.3 C
Manaus
segunda-feira, fevereiro 26, 2024

Pesquisa apoiada pela Fapeam desenvolve bioprodutos encapsulados, a partir de plantas e fungos amazônicos 

O desenvolvimento de bioprodutos, a partir do encapsulamento de metabólitos bioativos produzidos por plantas e fungos amazônicos em nanomateriais, está sendo estudado com apoio do Governo do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), via Programa de Apoio à Consolidação das Instituições Estaduais de Ensino e/ou Pesquisa (Pró-Estado). 

O estudo em andamento intitulado “Consolidação da AMNANO (Rede Amazonas de Laboratórios Multiusuários em Nanotecnologia) no desenvolvimento de bioprodutos, a partir do nanoencapsulamento de metabólitos produzidos por plantas e fungos amazônicos”, realizado pela doutora em Química, Patrícia Melchionna Albuquerque, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), colabora para o aproveitamento dos recursos naturais da região Amazônica. 

Durante os testes, foram obtidos óleos essenciais e extratos em diferentes solventes (metabólitos de plantas) e extratos preparados a partir do cultivo do microrganismo (metabólitos de fungos amazônicos), sendo detentores de atividades biológicas de interesse, tais como: antioxidante, fotoprotetora, antimicrobiana e citotóxica. 

“O desenvolvimento deste projeto sinaliza para o aproveitamento dos recursos naturais da região Amazônica, agregado ao potencial da nanotecnologia, primando pelo desenvolvimento científico com bases para a sustentabilidade e consequente desenvolvimento da bioeconomia no estado do Amazonas”, disse Patrícia Melchionna.

A Rede AMNANO conta com laboratórios de 5 instituições do Amazonas: UEA, Instituto Federal do Amazonas (Ifam), Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), e Instituto Senai de Inovação (ISI). Ela também integra Sistema Nacional de Laboratórios em Nanotecnologias (SisNANO), que é ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Realização da pesquisa  

Melchionna explica que o processo de seleção das plantas amazônicas, se dá por seu uso medicinal e das produtoras de óleos essenciais, e por suas atividades biológicas. Os fungos escolhidos são todos endofíticos, ou seja, vivem dentro das plantas e já foram utilizados em estudos anteriores, sendo produtores de substâncias bioativas.  

“De posse dos extratos (fungos e plantas) e dos óleos essenciais, procedeu-se com as análises de atividade antioxidante, fotoprotetora, citotóxica e antimicrobiana. As amostras que se mostraram mais ativas foram selecionadas para serem nanoencapsuladas”, afirmou. 

Após os bioprodutos serem nanoencapsulados, foram realizadas a caracterização e determinação da atividade biológica, liberação controlada e estabilidade. Em seguida, estabeleceu-se a concentração desses ativos para a formulação de produtos cosméticos, em especial emulsões fotoprotetoras. 

“Até o momento foram desenvolvidos dois bioprodutos nanoencapsulados: o extrato da semente do guaraná (Paulinia cupana) e o óleo essencial de pau rosa (Aniba rosaeodora)”, disse.  

Apoio da Fapeam  

A pesquisadora destacou o apoio da Fapeam na consolidação dos grupos de pesquisa da UEA, do Ifam e da Ufam, envolvidos no projeto. Além da importância da Fundação no desenvolvimento dos bioativos amazônicos, que poderão ser utilizados em diferentes produtos para a indústria cosmética, alimentícia e farmacológica, por exemplo. 

Programa Pró-Estado  

O programa visa fortalecer e incentivar o desenvolvimento de iniciativas que ampliem a formação de recursos humanos em nível de pós-graduação stricto sensu consiste em apoiar, com recursos financeiros, ações de formação de recursos humanos e melhoria da infraestrutura de pesquisa de instituições vinculadas ao Governo do Amazonas, para o desenvolvimento e utilização de conhecimento científico e inovação tecnológica no âmbito das instituições estaduais de ensino superior. 

FOTOS: Nathalie Brasil/FAPEAM

spot_img