A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu nesta quarta-feira (9) ao Supremo Tribunal Federal a condenação do ex-ministro Geddel Vieira Lima. Dodge sugere a pena de 80 anos de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Geddel foi preso preventivamente em 8 setembro do ano passado, três dias após serem encontrados R$ 51 milhões em espécie na casa de um amigo dele, em Salvador. A apreensão em dinheiro vivo foi a maior da história do país.

De acordo com Raquel Dodge, esse dinheiro teve como origem diferentes práticas criminosas entre os anos de 2010 e 2017. A defesa alega que os R$ 51 milhões faziam parte do patrimônio legal da família, tendo como uma de suas origens a atividade agropecuária.

Além de Geddel, a procuradora também pediu a condenação do irmão dele, o deputado Lúcio Vieira Lima (MDB-BA). Ela pediu que ele fique preso por 48 anos e seis meses de prisão, pelos mesmos crimes.

A PGR quer que Geddel fique em prisão preventiva até o julgamento do caso. Segundo Raquel Dodge, o político já mostrou que, em liberdade, ele é capaz de colocar em risco a ordem pública e ferir a aplicação da lei.

Reportagem, Cintia Moreira
Foto: Agência Brasil