PM fortalece policiamento e uso de tecnologia na área da 30ª Cicom

O policiamento comunitário e o uso de tecnologia serão reforçados pela 30ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), para reduzir os indicadores de criminalidade na região de atuação da unidade. A informação é o capitão PM Guilherme Sette, comandante da 30ª Cicom, que atende o bairro Jorge Teixeira, na zona leste de Manaus e parte do bairro Cidade de Deus, na zona norte.

Uma das estratégias, segundo o capitão, é trabalhar de acordo com o que chamou de dinâmica social. “No fim da madrugada, sabemos que a rotina do cidadão é ir para a parada de ônibus para ir trabalhar. Por volta das 7h, os pais estão voltando de deixar os filhos na escola. Nesses momentos, as viaturas estão acompanhando essa dinâmica”, explicou Sette.

Outra estratégia é ampliar o uso das ferramentas tecnológicas que já estão disponíveis no sistema de Segurança Pública, como o Sistema de Alerta de Eventos Críticas (Sace), desenvolvido no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), e o aplicativo Comando, criado pela Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI) da PMAM. “Com estes sistemas, a gente consegue rastrear as viaturas e saber se elas estão cumprindo o roteiro de policiamento conforme estabelecido no planejamento. Já estamos agendando o treinamento para utilizar essa ferramenta. Também é possível utilizar o celular nas viaturas e fazê-lo ‘ler’ as placas dos veículos em tempo real para saber se estão com restrição de roubo. Se detectada uma restrição, a abordagem será feita para verificar o motivo da restrição”, disse Guilherme Sette.

Para agilizar o atendimento à comunidade, além dos telefones 181, o Disque-Denúncia da Secretaria de Segurança Pública (SSP), e o 190, a 30ª Cicom disponibiliza uma linha direta para que a população entre em contato em caso de ocorrências. O telefone é o (92) 98842-1732.

Policiamento comunitário – Na 30ª Cicom, Sette afirma que haverá uma participação ativa da comunidade nas decisões, não apenas como ‘olhos’ ou ‘ouvidos’ da polícia. “Vamos nos reunir com o Conselho Comunitário, chamando para uma parceria decisória, ainda que não de forma técnica. Até mesmo porque a percepção da segurança, quem sente é a comunidade”, afirmou o capitão.

Além dessas ações, a 30ªCicom tem ampliado a interação com a Polícia Civil no 30º Distrito Integrado de Polícia (DIP). O fortalecimento dessa integração tem sido por meio de reuniões semanais para troca de informações e planejamento de ações conjuntas.