Take a fresh look at your lifestyle.

-publicidade-

-publicidade-

Polícia Civil chama atenção da população para os golpes do falso financiamento

O número de golpes bancários aumenta a cada dia, e já somam quase 700 registros na cidade de Manaus, em 2021. Eduardo Paixão, titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra o Consumidor (Deccon), alerta sobre os golpes e como agir caso seja vítima.

A Especializada alerta que o pedido de um depósito antecipado para a liberação de empréstimo ou depósito para carta contemplada rápida, são golpes que se intensificaram durante a pandemia.

O golpe é aplicado por pessoas que se passam por empresas ou financeiras, oferecendo um crédito fácil, sempre exigindo um valor antecipado para que o empréstimo ou consórcio seja contemplado.

“Quem aplica o golpe, informa que a quantia é necessária para cobrir taxas de cartório, bancárias, segurados e a primeira parcela do empréstimo. Toda essa fala é mentirosa, arquitetada para enganar a população”, comenta o delegado Eduardo Paixão.

As vítimas são ‘atraídas’ com a promessa de conseguir um empréstimo ou carta de consórcio sem consulta de restrições e/ou score. De acordo com a autoridade policial, a população deve estar atenta aos sinais desses estelionatários.

“Na hora do aperto, as pessoas acabam escolhendo alguém que ofereça quase um ‘milagre’ para ter o dinheiro. Nessas situações, deve-se manter a calma e observar os sinais do golpe, que são claros. Ninguém pede dinheiro para emprestar e furar a fila do consórcio, não faz sentido”, ressalta ele.

Se você desconfia que caiu em um golpe, o delegado dá dicas de como proceder. “Ligue para o call center nacional de cada banco ou consulte pessoalmente uma agência ou administradora. Se o banco não confirmar a existência do documento que está em sua posse, você foi vítima de estelionato. Nesse caso, formalize a denúncia no Procon, denuncie em qualquer delegacia e demande na Justiça Cível pelo prejuízo financeiro”, finaliza ele.

Ainda conforme Paixão, o consumidor deve sempre procurar bancos com endereço físico e reconhecimento nacional, jamais pequenas terceirizadas que os bancos não confirmem parceria.

FOTO: Divulgação/PC-AM

-publicidade-