As Principais Notícias do Estado do Amazonas estão aqui!

Polícia Federal faz operação contra lavagem de dinheiro do PCC

45 contas bancárias tiveram seus valores bloqueados, facção pode ter movimentado mais de R$ 7 milhões

Uma Força tarefa comandada pela Polícia Federal realizou, no início dessa sexta-feira (9), a operação intitulada “Caixa-Forte”, que investiga os crimes de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro realizados pela facção Primeiro Comando da Capital (PCC).

A operação foi realizada pela Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (FICCO), que cumpriu 52 mandados de prisão preventiva, 48 de busca e apreensão e outros 45 de sequestro de valores em Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul em 18 cidades. Seis dos alvos das operação já estão reclusos no sistema prisional.

Segundo a PF, as investigações começaram em novembro do ano passado e identificaram uma composição batizada de “Geral do Progresso”. Ainda segundo a polícia, essa composição tinha como finalidade gerenciar o tráfico de drogas, com a distribuição dos entorpecentes que é a principal fonte de renda da facção, além de lavar todo o dinheiro coletado de origem criminosa. Algumas contas de pessoas sem muita ligação com os criminosos eram escolhidas para ocultar e mascarar a origem ilegal dos valores.

O PCC ainda fazia “depósitos fracionados” para a lavagem de dinheiro, depositando pequenas quantias em contas diferentes para não identificar quem depositava e não chamar a atenção de órgãos como Coaf, por exemplo. A estimativa é de que, somente durante o período das investigações, a facção tenha movimentado mais de R$ 7 milhões.

Essa é a segunda operação da Polícia Federal contra o PCC nesta semana. Na terça (6), a “Operação Cravada” também atacou a estrutura financeira do grupo. Outras 20 pessoas foram presas, 400 contas bancárias suspeitas identificadas e uma estimativa de mais de R$ 1 milhão por mês movimentado.

Os suspeitos são investigados por tráfico de drogas, participação em organização criminosa e lavagem de dinheiro. Se somadas, as penas podem atingir 33 anos de reclusão.

Repórter Raphael Costa

você pode gostar também