A Polícia Civil do Amazonas, por meio dos servidores da Delegacia Especializada em Crimes contra o Meio Ambiente e Urbanismo (Dema), em parceria com o Batalhão Ambiental do Amazonas (BPAmb-Am), registrou na tarde desta quinta-feira, 26, a apreensão de 588 kg de pescado ilegal e carne de caça, oriundos de uma embarcação atracada no Terminal Pesqueiro de Manaus, localizado no bairro Colônia Antônio Oliveira Machado, zona Sul da cidade.

A apreensão aconteceu por volta das 13h30, na Rua Vista Alegre, próximo ao porto, quando Marcos Venicio Evaristo Lima, 32, foi abordado enquanto transportava 280 kg de carne de pirarucu. No decorrer da ação, agentes do Batalhão Ambiental encontraram ainda mais 183 kg de tambaqui, 25 kg de aruanã, 41 kg de pacu. Além do pescado ilegal, também foram recolhidos 59 kg de carne de animais silvestres como paca e capivara.

O restante da carga estava no interior da embarcação, identificada como “Marcos Gabriel”. De acordo com a delegada titular da Dema, Ana Cristina Braga, o material estava enquadrado nas medidas de Proteção pelo Defeso e Carne de Caça. O proprietário do barco não apresentou o lacre que oficializa a permissão para a comercialização das espécies e, por isso, foi detido e conduzido à unidade policial especializada em crimes contra o meio ambiente.

Ainda segundo a titular da especializada, a melhor maneira de amenizar os prejuízos causados por este tipo de crime é encaminhar o material apreendido a entidades filantrópicas.

“Só com o trabalho realizado hoje, vamos conseguir presentear pelo menos três unidades sociais com a quantidade de carne encontrada. No final da história, quem perde é o meio ambiente e aqueles que continuam praticando este tipo de crime, pois além de perderem a carga, estas pessoas pagam fiança para conseguirem responder em liberdade”, informou Ana Cristina.

Todo o material apreendido será doado ao Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs), Clubes das Mães Mulheres Guerreiras e Clube de Mães Nossa Senhora de Nazaré.

Marcos Venicio foi autuado pelo crime de pesca ilegal, previsto no artigo 34 da lei de Crimes Ambientais. Após o término dos procedimentos legais realizados na delegacia, o homem foi liberado ao quitar fiança estipulada no valor de R$ 798,00.