Tiago Machado da Silva
Tiago Machado da Silva

A Polícia Civil do Amazonas, por meio dos servidores lotados na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), sob o comando do delegado titular, Ivo Martins, realizou na manhã desta quarta-feira, 11, a prisão do peixeiro, Tiago Machado da Silva, 28, conhecido como “Dread”. Ele é apontado como autor do homicídio de Raimundo Corrêa Sales, 60. O crime ocorreu no dia 5 de fevereiro deste ano, em um bar localizado na Rua 20, bairro São José 2, zona Leste de Manaus.

O delegado informou que eles estavam consumindo bebida alcoólica em um estabelecimento comercial quando o fato aconteceu. Raimundo teria começado a fazer piadas com o peixeiro, porque ele não queria lhe mais dar bebida. Em um determinado momento, Raimundo teria jogado um paralelepípedo na cabeça de Tiago, que revidou a violência com uma pedrada, atingindo a cabeça da vítima. Após a briga, o peixeiro fugiu e Raimundo foi encaminhado ao Hospital e Pronto Socorro Dr. João Lúcio Pereira Machado, zona Leste da cidade.

No dia seguinte ao desentendimento, Raimundo não resistiu aos ferimentos na cabeça e morreu. Em seguida, policiais da DEHS receberam uma denúncia anônima informando que Tiago estaria fugindo com a mulher e o filho, na embarcação “Nova Aliança”, em direção ao município de Parintins.

“Quando soubemos da localização dele, descobrimos que o barco estava logo depois do Encontro das Águas. Ligamos para a Delegacia Fluvial (Deflu), que nos cedeu uma embarcação para efetuarmos a prisão. Tiago foi preso no segundo andar do barco, não apresentou resistência à abordagem e confessou o crime”, informou a autoridade policial.

Ainda de acordo com o delegado, o homem informou que estava muito bêbado na noite da briga e não se lembrava de nada no dia seguinte, tendo sido informado da situação pelo chefe dele quando foi trabalhar.

Na apresentação de Tiago, feita hoje na especializada, ele justificou a fuga. “Eu estava fugindo porque recebi ameaças de familiares da vítima. Eles falaram que iam me matar, por isso fiquei com medo e decidi ir embora”, relatou.

Na unidade policial, ele foi autuado por homicídio qualificado por motivo fútil, como prevê o artigo 121 do Código Penal Brasileiro. Segundo o delegado, por não se tratar de flagrante, ele solicitou à Justiça um mandado de prisão preventiva, que foi expedido hoje pela pelo juiz de Direito, Eliezer Fernandes Júnior, da 2° Vara do Tribunal de Júri.

Após procedimentos legais, o homem foi encaminhado à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde ficará à disposição da Justiça.