Policiais militares envolvidos na morte de adolescente vão ser presos

As investigações ocorreram de maneira imparcial, célere e estamos dando uma resposta para sociedade e para os familiares e amigos do adolescente", disse Amadeu Soares

A Polícia Civil do Amazonas pediu a prisão preventiva e o Juiz Mauro Antony, titular da 3ª Vara do Tribunal do Júri, deferiu mandados de prisão dos policiais militares da 5ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), Erivelton de Oliveira Hermes e Francisco Adson Bezerra Rocha, envolvidos na morte do adolescente Hering da Silva Oliveira, 16. Os mandados foram expedidos durante o plantão criminal no último sábado (27/10)

O homicídio do adolescente ocorreu na quinta-feira (25/10), no bairro Santo Antônio. O jovem foi morto com um tiro nas costas durante o atendimento de uma ocorrência pela PM na minivila Olímpica do bairro. Ele chegou a ser socorrido pelos policiais e levado ao Serviço de Pronto-Atendimento (SPA) do São Raimundo, mas acabou morrendo.

De acordo com o Secretário de Estado de Segurança Pública, Coronel Amadeu Soares, após o resultado da perícia, que deu negativo para pólvora na mão da vítima, a delegada Rita Tenório, solicitou o mandado de prisão dos policiais. “As investigações ocorreram de maneira imparcial, célere e estamos dando uma resposta para sociedade e para os familiares e amigos do adolescente. Os policiais militares já foram notificados dos mandados de prisão e devem se apresentar na manhã de quarta-feira (31), em virtude da lei eleitoral”, afirmou.

Segundo o Delegado Geral Adjunto, Ivo Martins, oito testemunhas foram ouvidas durante o inquérito policial e reafirmaram a versão de que os adolescentes consumiam entorpecentes no momento em que foram abordados pela guarnição. As armas dos policiais já estão apreendidas e no prazo de dez dias o inquérito será finalizado e enviado à justiça. “Os policiais já se mostraram dispostos a colaborar com as investigações e na quarta-feira serão ouvidos novamente”, informou.

O Comandante Geral da Polícia Militar, Coronel Claudio Silva, afirmou que um processo administrativo foi instaurado na Corregedoria da PM e que os policiais militares ficarão presos no Batalhão de Choque, localizado na Avenida Torquato Tapajós, bairro Novo Israel, zona norte.