Take a fresh look at your lifestyle.

-publicidade-

-publicidade-

Prefeito Arthur abre ano legislativo com discurso ofensivo e fala em fabricar lenços para amenizar a crise manauara

A abertura dos trabalhos na Câmara Municipal de Manaus (CMM) realizada na segunda-feira (9) foi regada de muitas críticas por parte do Prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), às ações do Governo Federal e uma afronta às reivindicações de estudantes que protestaram contra o aumento da tarifa de ônibus e o passe livre.
No português mais claro, questionado sobre o ordenamento da cidade, Arthur alegou que não tem um centavo para investir no plano de mobilidade urbana. Que ele e o governador irão recorrer à Presidente da República, Dilma Rousseff (PT), a fim de solicitar recursos para investir na BRT. Disse ainda que não tem solução para o problema de transporte e o trânsito na cidade.

Diferente da maioria dos vereadores da situação, que só elogiam as ações do então prefeito, sempre omitindo a deficiência da atual administração, a vereadora de oposição, Rosi Matos (PT), faz uma avaliação mais direta a respeito da mensagem de Arthur Neto. Na opinião da petista, este foi o pior discurso de todos os anos e levanta críticas quanto à postura do Prefeito ao mencionar que vai fabricar lenços para enfrentar a crise que atinge as famílias manauaras.

“O prefeito Arthur, foge da realidade e não assume as origens da crise brasileira e prefere culpar o Partido dos Trabalhadores (PT) pelo descontrole econômico, pois jogar a responsabilidade para outra sigla é mais cômodo para os peessedebistas. Como se o Estado de São Paulo, Minas Gerais e Paraná- que respondem por mais de 50% do PIB- não fosse governado pelo PSDB há muito tempo”, disparou a parlamentar.

Durante o discurso, Arthur se posicionou a respeito do ambiente político Nacional, afirmando que ‘o Brasil está, há tempos, num mar de lama e muitos partidos contribuíram para isso acontecer’. Na percepção da vereadora, o prefeito inclui o próprio partido, o PSDB, como responsável pelo ‘mar de lama’.

Repressão ao movimento estudantil

Arthur Neto não mediu palavras e mostrou-se contrário ao protesto de estudantes que reivindicavam o passe livre em frente à Câmara Municipal. O prefeito fez questão de lembrar a época em que foi líder estudantil. Depois de voltar às lembranças que marcaram seu passado, Arthur aconselhou os jovens a protestarem contra fatos que ele considera relevantes, como a corrupção.

“Ao contrário do que declara, o prefeito Arthur é conivente com a intimidação e a repressão à juventude. Estes jovens são diariamente prejudicados por um sistema de transporte caótico, cuja tarifa foi reajustada pela Prefeitura, sem nenhuma exigência de melhoria às empresas de ônibus. Não vejo nada de irrelevante na manifestação dos estudantes. Eles estão cobrando o que é de direito. Vergonhoso, Prefeito, é pagar caro por um serviço de transporte que não é de qualidade”, repudiou Rosi Matos.

-publicidade-