Take a fresh look at your lifestyle.

Prefeitura alerta para a prevenção às Infecções Sexualmente Transmissíveis/Aids nos eventos de Carnaval

-publicidade-

Dos 4.166 casos de HIV notificados entre 2016 e 2018, no município de Manaus, 53,55% foram registrados na faixa etária de 15 a 29 anos. A informação é da Prefeitura de Manaus, que neste período de carnaval intensificou a oferta de preservativo nas Unidades de Saúde e durante eventos carnavalescos, alertando para o risco das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs). Com o tema “Pare, pense e use camisinha”, a campanha de carnaval de 2019, lançada pelo Ministério da Saúde, também faz um alerta para os casos de HIV entre a população masculina.

O trabalho está sendo executado pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e também em eventos carnavalescos, como apresentação de bandas, blocos, ensaios e desfiles de escolas de samba. Neste sábado, 2/3, equipes da Semsa também estarão atuando no desfile das escolas de samba de Manaus. A previsão é que, até o final dos eventos carnavalescos deste ano, sejam disponibilizados cerca de 600 mil unidades de preservativos masculinos e 120 mil de gel lubrificante.

“Mesmo que o número total de casos de HIV no município tenha apresentado redução nos últimos anos, a taxa de incidência em adolescentes e jovens adultos tem mostrado um crescimento. E por isso, a Prefeitura de Manaus tem trabalhado para orientar a população sobre o cuidado com a própria saúde, estimulando o uso do preservativo, principalmente entre os jovens”, destaca o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi.

Em 2016, a taxa de incidência de HIV em adolescentes foi 8.63 a cada 100 casos notificados em Manaus. Já no ano passado, os dados da Semsa mostram uma taxa de incidência de 10.04 em cada 100 notificações.

Campanha

Em Manaus, do total de 4.116 casos de HIV notificados entre 2016 e 2018, 3.267 casos (78,42%) foram registrados em pessoas do sexo masculino.

De acordo com a chefe do Núcleo de Controle das ISTs/Aids e Hepatites Virais da Semsa, enfermeira Rita de Cássia Castro de Jesus, os dados mostram que o desafio ainda é a mudança de comportamento dos jovens, que precisam ser estimulados ao uso do preservativo de forma consistente.

“O uso do preservativo não é somente para a prevenção ao HIV, mas também para outras infecções sexualmente transmissíveis, como hepatites virais e a sífilis. São doenças graves que podem levar ao óbito do paciente, especialmente quando não há o diagnóstico precoce”, alerta Rita de Cássia, lembrando que o uso do preservativo também previne a gravidez não planejada.

Tendência

A médica infectologista Silvana de Lima e Silva, que atua no Núcleo de Controle das ISTs/Aids, explica que os dados do Ministério da Saúde mostram que, a partir de 2009, houve uma tendência no aumento de casos entre homens na faixa etária de 13 a 19 anos em todo o país.

“No Brasil, segundo os dados do Ministério da Saúde, em 2007, na faixa etária de 13 a 19 anos, a razão de sexos era de oito casos em homens para cada dez casos em mulheres, passando para 22 casos em homens a cada dez casos em mulheres em 2017. Na faixa de 20 a 29 anos, o aumento foi de 13 casos em homens para cada dez casos em mulheres em 2007, para 34 casos em homens a cada dez casos em mulheres em 2017”, informa a médica.

Estratégias

Para a prevenção às ISTs/Aids, a Semsa desenvolve durante todo o ano ações na rotina de serviço das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e também em campanhas, tanto para público em geral quanto direcionada para populações-chaves (gays, homens que fazem sexo com homens, pessoas trans, profissionais do sexo, pessoas em privação de liberdade, e usuários de álcool e outras drogas).

As estratégias de prevenção executadas pela Semsa incluem a distribuição de preservativos masculinos e femininos, e gel lubrificante; a oferta de testagem rápida para HIV, sífilis e hepatite B e C em 147 UBSs; e a ampliação do atendimento às pessoas vivendo com o HIV na Atenção Básica.

Texto: Eurivânia Galúcio/Semsa

-publicidade-