As Principais Notícias do Estado do Amazonas estão aqui!

Prefeitura de Manaus já construiu mil metros de pontes para o atendimento às famílias atingidas pela cheia

Desde o primeiro alerta de cheia na capital, a Prefeitura de Manaus já construiu mais de mil metros de pontes provisórias em seis bairros afetados pela subida dos rios, dentro da Operação SOS Enchente. Para traçar as novas ações, a Defesa Civil do município acompanhou a divulgação do “Terceiro Alerta de Cheia de 2019”, realizada pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM), na manhã desta sexta-feira, 31/5. O órgão anunciou que a cota máxima pode variar entre 29,18m a 29,33 metros, levando em consideração a maior cheia registrada na história em 2012, que atingiu a cota de 29,97 metros. O nível do rio desta sexta-feira é de 28,93m.

Os bairros mais afetados pela cheia são o São Jorge, Colônia Antônio Aleixo, Aparecida, Educandos, Presidente Vargas e Mauazinho. Segundo o relatório do Departamento de Operações da Defesa Civil, a previsão é que mais nove bairros sejam afetados, totalizando 15: Tarumã, Raiz, Betânia, Centro, Santo Antônio, Cachoeirinha, Glória, Compensa, Puraquequara, além de algumas áreas das zonas rural e ribeirinha.

“As construções das passarelas começaram desde o primeiro alerta da cheia, no final de março. O órgão busca trabalhar de forma preventiva para melhorar a qualidade de vida das famílias nesse período, conforme nos determina o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto”, ressaltou o secretário Executivo da Defesa Civil de Manaus, Cláudio Belém.

O secretário disse que as atividades da Defesa Civil continuam intensificadas de forma preventiva. “Nossas ações continuam para que possamos dar o apoio necessário a estas famílias que vão ficar nessas áreas vulneráveis no período da cheia. As construções de pontes seguem o planejamento, conforme os alertas de previsão de cota, divulgados pelo CPRM, assim como o monitoramento das áreas vulneráveis pela cheia”, explicou, acrescentando que a Defesa Civil, durante a Operação SOS Enchente, acompanha a cota do rio para que as famílias possam ser assistidas com futuras construções e medidas cabíveis.

Texto – Beatriz Araújo / Casa Militar

Foto – Divulgação / Defesa Civil

você pode gostar também