Encontro reuniu professores da rede pública de ensino básico do país

A maior e mais complexa infraestrutura científica já construída no Brasil, o Sirius, laboratório de luz síncrotron de 4ª geração, foi a fonte de inspiração para o planejamento de aulas da professora de física Eloides Melo, 28 anos. Mestre em Ensino da Matemática e Ciências, ela foi a única representante do Amazonas e da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade de Ensino (Seduc-AM) durante a imersão de 16 professores da rede pública do Brasil no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP).

Durante uma semana, a 1ª Escola de Síncrotron para Professores do Ensino Médio (1ª ESPEM) reuniu os profissionais do magistério na educação básica com o objetivo de participarem de aulas expositivas, demonstrações experimentais, discussões com pesquisadores e visitas aos laboratórios nacionais do CNPEM e do Sirius, nova fonte de luz síncrotron que compõe a maior estrutura científica do Brasil.

A experiência de conhecer o novo acelerador de elétrons brasileiro, orçado em R$ 1,8 bilhão, inspirou a professora do Colégio Militar da Polícia Militar Marcantônio Vilaça 2 (CMPM 2). “Foi uma semana aprendendo sobre o que tem de mais moderno na física e que, ainda por cima, está sendo feito aqui no Brasil. É uma motivação para sairmos da nossa zona de conforto”, destacou a professora.

Segundo Eloides, que é Licenciada em Física pela Universidade Federal do Pará (UFPA), tem mestrado pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e atua na rede pública estadual há dois anos, o encontro, que aconteceu entre os dias 14 e 18 de janeiro, fez com que o planejamento de aulas tomasse novos rumos.

Com o objetivo de levar a física moderna às salas de aula, Eloides agora quer implantar, na escola em que atua, uma Feira de Ciências com foco naquilo que aprendeu com os pesquisadores e colegas de profissão em Campinas. “Nós não temos uma atividade que seja voltada especificamente para o ensino da Física dessa maneira. A minha ideia agora é conseguir que meus colegas me ajudem a difundir esse conhecimento em sala de aula”, contou.

Sirius – A primeira etapa do Projeto Sirius foi inaugurada em Campinas (SP), em novembro de 2018. A estrutura, que é uma das mais modernas do mundo, será capaz de analisar diferentes materiais em escalas de átomos e moléculas. Ela pode revolucionar a pesquisa brasileira e internacional em várias áreas, como saúde, agricultura e exploração do petróleo.

A expectativa do Governo Federal é que os pesquisadores comecem a trabalhar no laboratório no segundo semestre de 2019, e a conclusão total da obra está prevista para 2020.

FOTOS: Arquivo pessoal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here