Projeto de integração pretende levar mais segurança a taxistas, motoristas de aplicativo e de coletivos em Manaus

O Projeto “Rota Segura”, implementado pela Secretaria Executiva Adjunta de Gestão Integrada (Seagi) da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-Am), começou a operar em outubro de 2017, está implementando um sistema de integração de aplicativos de rastreamento de veículos com o Centro Integrado de Comando de Controle (CICC), que torna os protocolos para operações de revista e abordagens mais eficazes no combate à criminalidade.

De acordo com o coordenador do Rota Segura, Jundiahy Guedes, o programa está dividido em três modais: proteção de coletivos, motoristas de aplicativos e taxistas.

Aviso polícia – O modal foi desenvolvido com o objetivo de coibir a ocorrência de crimes no interior de ônibus do transporte público e está em operação desde abril de 2018. Já são mais de 16 mil usuários cadastrados. Por meio de um aparelho celular, o usuário pode baixar o aplicativo, o “Aviso Polícia” para versão Android. Depois de baixado o aplicativo, é necessário fazer um cadastro com informações do nome, telefone, e-mail e endereço do usuário. Após esse cadastro, é possível a polícia.

O sistema funciona semelhante ao botão do pânico. Ao perceber um assalto ou atitude suspeita, o usuário poderá apertar o botão e a ocorrência passa a ser monitorada pelo Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), de onde os controladores acionarão as viaturas mais próximas ao local da ocorrência e orientarão o modo de abordagem. A vantagem do serviço é a rapidez de acionamento. “Nós temos um banco de dados de crimes que nos informa os locais e horários das incidências de assaltos. Essas informações foram georreferenciadas e apontaram os pontos críticos que receberam reforços das viaturas, assim, acreditamos numa reposta mais rápida às ações criminosas”, explicou Guedes.

Anjo da Guarda – Este modal está em operação desde outubro de 2017, e atende aos motoristas do transporte especial, que conduzem trabalhadores para as indústrias do Polo Industrial de Manaus (PIM). O Programa integra os sistemas de rastreamento das empresas de transporte especial ao CICC. Os veículos, na maioria micro-ônibus, possuem equipamentos de segurança que permitem os motoristas a acionarem um botão de aviso, geralmente localizado em local sigiloso do veículo. A partir daí, as ações são coordenadas e operacionalizadas por servidores CICC, o que permite maior agilidade no retorno da polícia.

Todos os veículos que possuem o sistema são identificados com um selo, desenvolvido pelo Centro das Indústrias do Estado do Amazonas (Cieam) em parceria com a Secretaria de Segurança Pública, Sindicatos e cooperativas de transporte. O “Anjo da Guarda” está em fase de expansão e apresenta novidades como a utilização de câmeras que podem identificar os criminosos em suas ações localizadas dentro os veículos, e o monitoramento externo, que ainda está em fase experimental.

De acordo com o diretor administrativo da Viação Caravelas, Carlos Dias, a tecnologia de rastreamento por GPS e monitoramento por meio de câmeras têm sido uma das exigências das indústrias do PIM. Essa tecnologia aliada a integração com o CICC tem gerado pontos positivos para os empresários que registraram queda no número de ocorrências. “Depois que nós começamos a utilizar essa ferramenta, nós tivemos a diminuição de ocorrências e já conseguimos retirar da rua muitos criminosos que traziam transtornos tanto para as indústrias quando para as empresas que faziam o transporte”, explicou Dias.

Para o motorista José Neto, que trabalha há dez anos com o transporte especial, o uso da tecnologia trouxe mais segurança e sensação de bem estar para os motoristas “A situação não estava nada fácil para nossa categoria. Naquela época, nós andávamos apreensivos, muitos motoristas até pediram a conta por medo das ações dos criminosos. Hoje, com os avisos de monitoramento e com os sistemas de segurança, nós sentimos um pouco mais tranquilos, pois sabemos que a polícia está próxima”, disse Neto.

Motoristas de Aplicativos e taxistas – O terceiro modal está em fase experimental e terá o objetivo de atender a aproximadamente 350 motoristas de aplicativos e cooperativas de taxistas. O sistema vai funcionar como os anteriores, mas com a peculiaridade de integração entre os membros por meio de rádio. Além de monitorados, os motoristas continuam falando entre si por meio de códigos, assim, em caso de perigo ou situação suspeita, o próprio motorista ou os companheiros podem acionar o sistema. Ao contrário dos outros, o aplicativo permite que os veículos sejam monitorados 24 horas por dia, a partir do momento em que o motorista inicia o trabalho de transporte. Eles aparecem nas telas do CICC, mas quando o botão é acionado, o veículo muda de cor na tela, alertando para estado de perigo. Imediatamente, os operadores fazem o acionamento das viaturas mais próximas e orientam os policiais sobre a forma de abordagem.

De acordo com o coordenador do projeto Rota Segura, Jundiahy Guedes, apesar de operar experimental, o aplicativo tem detectado em média de 4 a 5 ocorrências por semana, e tem apresentado êxito no combate aos assaltos. “Temos registrado alguns incidentes, mas nosso tempo de acionamento e abordagens estão eficazes graças ao modo estratégico como as viaturas estão sendo posicionadas”, explicou.

Um dos motoristas de aplicativos, que preferiu ter a identidade preservada por medida de segurança, explicou que a parceria com a Secretaria de Segurança do Amazonas está dando certo. Ele relatou que já foi vítima de assalto, mas trabalhar em grupo e de forma integrada tem dado segurança aos motoristas de aplicativo e diminuído a incidência de crimes. “Nós continuamos a nos falar por código, mas com a vantagem do monitoramento 24 horas. Isso torna nosso trabalho mais seguro”, relatou.

Unificação – O próximo passo da Secretaria de Segurança Pública é transformar o aplicativo em um botão de emergência único para ser utilizado também em outras instituições como escolas. “Hoje, não se faz segurança sem tecnologia. Nós estamos apostando nisso e temos obtido êxito em nossas ações. A integração é uma das estratégias fundamentais para combater o crime”, explicou o secretário Executivo Adjunto de Planejamento e Gestão Integrada, coronel da Polícia Militar do Amazonas Gilberto Gouvêa.

FOTO: AGUILLAR ABECASSIS/SECOM