Projetos do Instituto Amazônia Equatorial são selecionados pelo Ministério do Turismo e devem gerar mais de 1.500 empregos diretos no Amazonas

Manaus, Iranduba e Presidente Figueiredo serão beneficiados com os projetos que têm como objetivo promover a retomada do turismo local para minimizar os efeitos negativos causados no setor, em decorrência da pandemia da Covid-19

Com foco no turismo de Manaus e de municípios do interior do Amazonas, como Iranduba e Presidente Figueiredo, quatro projetos do Instituto Amazônia Equatorial foram selecionados pelo Ministério do Turismo (Mtur) para compor o Portal de Investimentos. O portal integra a estratégia de transformação digital do Governo Federal, por meio do Ministério do Turismo (MTur), e funciona como portfólio digital de projetos no setor de turismo e um marketplace (local de venda), o qual busca aproximar investidores, empreendedores e o poder público. Com aporte de aproximadamente R$ 16 milhões, os projetos selecionados buscam apoiar e promover a retomada do turismo local para mitigar os efeitos negativos causados no setor, em decorrência da pandemia da Covid-19. Os quatro projetos vão gerar, juntos, mais de 1.500 novas vagas diretas de emprego para a população amazonense.

Entre os projetos contemplados estão: a construção de um centro turístico comunitário no município de Iranduba, especificamente na comunidade de Paricatuba, que possui alto potencial turístico; a construção do Parque Horizonte de Balbina, que vai contar a implantação de um moderno teleférico e de um palco para realização de eventos, além da reurbanização do Morro do Elefante; a revitalização do Museu do Porto de Manaus e a instalação do acervo histórico, além da realização da Feira Internacional Sea Trade Global para divulgação internacional do Estado do Amazonas durante 36 meses. O evento é um trade de turismo de cruzeiros marítimos, focado na captação de armadores internacionais, com o planejamento publicitário na organização/divulgação de novas rotas no Sul do caribe com a América do Sul.

Conforme o Presidente do Instituto Amazônia Equatorial, Hipérion Monteiro, seis projetos foram submetidos ao Ministério do Turismo e quatro foram selecionados para receber os investimentos. Pelo menos, duas das propostas devem ser iniciadas ainda neste ano.

“Os projetos integram uma série de medidas realizadas pelo Governo Federal para fomentar o turismo, em segmentos considerados cruciais na retomada das atividades turísticas no contexto pós-pandemia. Os projetos do Instituto Amazônia Equatorial vão permitir a sobrevivência do setor. Estamos empenhados em definir estratégias que permitam o Amazonas a aproveitar ao máximo todo o seu potencial. E, nesse sentido, a valorização do turismo interno é um pilar vital nesse processo”.

No projeto “Turismo local sustentável Paricatuba na trilha da história”, por exemplo, Hipérion salienta que a proposta se justifica não somente pelo potencial econômico identificado na comunidade, mas pela capacidade de formação de um capital social local, que, com as possibilidades de trabalho, poderá promover a geração de renda, por conseguinte, melhorar a qualidade de vida dos moradores da vila de Paricatuba. A estimativa é que 200 novos empregos sejam disponibilizados para os comunitários que vivem no local.

“Os projetos representam uma alternativa de renda, ajudam a estabilizar a economia local e criam negócios e empregos diretos e indiretos. Os projetos selecionados contarão com apoio técnico para estruturação dos destinos e empreendimentos, bem como a comercialização de produtos e serviços. Também estão previstas capacitações de empresários, empreendedores e produtores rurais para a criação ou aprimoramento de roteiros e experiências”, destacou o Presidente do Instituto Amazônia Equatorial.

*Investimentos no Turismo*

O Ministério do Turismo facilitou empréstimos do Fundo Geral de Turismo (Fungetur), além de ter agilizado a destinação de R$ 381 milhões a novos financiamentos. O Mtur, por meio de um ato normativo, e de olho na demanda futura, trabalha a divulgação de atrativos e de espaços de eventos, além de destacar a importância de investimentos públicos em infraestrutura e promoção e da atuação da iniciativa privada. A ação busca definir um plano estratégico focado na retomada de atividades de lazer e eventos.

O órgão ainda instituiu os eixos de atuação e parâmetros para desenvolvimento de programas, projetos e ações para a retomada, organizados em quatro eixos de atuação: preservação de empresas e empregos no setor de turismo; melhoria da estrutura e qualificação de destinos; implantação dos protocolos de biossegurança e promoção e incentivo às viagens.