Take a fresh look at your lifestyle.

Prosamim avança com obras de saneamento na Bacia do São Raimundo

-publicidade-

O Governo do Estado, por meio da Unidade Gestora de Projetos Especiais (UGPE), está finalizando a construção de seis estações elevatórias nos bairros das zonas sul e oeste da capital. As estações elevatórias são obras do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim) e fazem parte das intervenções que o programa vem executando para melhoria do saneamento básico nos bairros banhados pela Bacia do São Raimundo.

As estações elevatórias serão as responsáveis por receber o esgoto das residências por meio das redes de coleta e enviá-los à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), que vem sendo construída no bairro de Educandos. Essas estações são compostas por tanques para armazenar os efluentes e bombas que farão o envio desses efluentes até a ETE.

As seis elevatórias estão localizadas nos seguintes bairros: Estação Elevatória 4, no bairro da Glória; Elevatória 5, no bairro São Raimundo; Elevatória 6, no bairro Aparecida; Elevatória 7, no bairro Presidente Vargas; a Elevatória 8, no Parque Castelhana, e Elevatória 9, no Parque Belchior, localizadas nos bairros Presidente Vargas e Aparecida, respectivamente.

“As estruturas da maior parte das estações elevatórias já alcançam 98% de obra concluída, restando os acabamentos. Os serviços de conclusão estão sendo realizados com a instalação dos equipamentos e da parte elétrica que fará funcionar os equipamentos das estações. Vale ressaltar que os projetos, o acompanhamento e o comissionamento das obras foram realizados em conjunto com a concessionária de água e esgoto, Águas de Manaus, que é a responsável pela operação do sistema”, explicou o coordenador executivo da UGPE, Marcellus Campêlo.

Redes de coleta de esgoto – O Prosamim já concluiu 24 quilômetros de redes de coleta de esgoto, distribuídas nos bairros do Centro, Aparecida, Glória, São Raimundo e Presidente Vargas. Essas redes serão interligadas nas residências desses bairros, evitando que os efluentes sejam despejados na bacia do São Raimundo sem o devido tratamento.

FOTO: Tiago Corrêa/UGPE

-publicidade-