Depois que o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, declarou apoio à candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara, a oposição na Casa reagiu e já pensa em um nome para também concorrer ao cargo. O nome indicado pelo PSOL foi o do deputado Marcelo Freixo (RJ).

Anteriormente, Maia até contava com o apoio de parte dos parlamentares da esquerda, no entanto, o anúncio do PSL não agradou alguns oposicionistas que, agora, tentam formar uma chapa com PT, PCdoB, PDT e o próprio PSOL para derrotar Rodrigo Maia na disputa da presidência da Câmara. Ao todo, os quatro partidos contam com 103 deputados eleitos.

Freixo deve procurar a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, para costurar o apoio do Partido dos Trabalhadores à candidatura dele. O PSOL já procurou o presidente do PDT, Carlos Lupi, para discutir a questão. O PSOL também tem intenção de conversar com a Rede.

Rodrigo Maia, por sua vez, é um nome estratégico para o governo Bolsonaro, já que ele deve pautar matérias fundamentais que compõem a agenda econômica do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Apesar de, inicialmente, deputados do PSL temerem que Maia pautasse uma agenda de costumes para agradar à esquerda, o deputado do DEM tem dito que não só não apoia a agenda de costumes da esquerda desde sempre, “como o campo deles sabe que seriam derrotados hoje em plenário (…) porque a direita tem maioria”.

Reportagem, Marquezan Araújo