Take a fresh look at your lifestyle.

-publicidade-

Queda de cabelo pós-Covid pode ser revertida

Se já não bastasse ter sofrido as duras consequências da Covid-19, quem foi contaminado com a doença tem relatado outro grave problema quando consegue a cura: a queda do cabelo. A Cientista e expert em queda capilar Jackeline Alecrim, comenta como lidar com essa situação e aponta soluções.

Um dos efeitos remanescentes da Covid-19 é a queda de cabelo de quem foi contaminado pelo coronavírus. Essa situação acontece após a pessoa ter se curado, porém uma boa notícia para elas é que ele vai voltar a crescer normalmente.

Segundo a especialista em Cosmetologia Avançada Jackeline Alecrim, isso acontece pois o cabelo tem um ciclo que engloba a fase ativa de crescimento chamada anágena que pode durar de 2 a 6 anos, e, ao final deste período, ele entra em uma espécie de repouso, cai e é substituído por um fio igual a ele. Porém, ela lembra que “tal situação ocorre de forma aleatória no couro cabeludo, fazendo com que nossos fios estejam em diferentes fases, ocorrendo de modo harmonioso, não será percebido redução do volume geral”.

Porém em situações de stress fisiológico, o ciclo capilar pode ser alterado, fazendo com que muitos fios migrem abruptamente para a fase telógena responsável pelo “descarte” do cabelo. Esse tipo de manifestação, chamada de eflúvio telógeno, pode ser provocada quando a pessoa sofre uma infecção, como uma pneumonia, ou até mesmo um estresse psicológico importante e também tem se demonstrado um relato cada vez mais frequente em quadros pós Covid-19.

A boa notícia é que, não é preciso se desesperar. Como define Jackeline Alecrim, a tendência, após quadros de Eflúvio telógeno, é que os fios sejam recuperados. “O paciente pode ter uma perda abrupta, mas como não se trata de uma doença no couro cabeludo e sim uma condição transitória, esse cabelo tende a ser recuperado”.

Mas atenção, a cientista alerta que, “se o paciente tiver doenças prévias ou alteração anterior no couro cabeludo, como uma calvície, por exemplo, o quadro merece uma atenção especial. Para evitar a dificuldade de reposição de fios que pode ocorrer.

De acordo com pesquisadores de universidades dos Estados Unidos, do México e da Suécia, que analisaram dezenas de estudos sobre o tema, com um total de 48 mil pacientes, os cinco sintomas mais comuns da covid-19 prolongada são: fadiga (58%), dor de cabeça (44%), dificuldade de atenção (27%), perda de cabelo (25%) e falta de ar (24%).

Para quem sofre da perda de cabelo ou alopecias, pode se beneficiar do tratamento desenvolvido pela cientista, o produto está disponível no mercado com o nome de Caffeine’s Therapy e vem ganhando destaque pela eficácia. Trata-se de um dermocosmético, com eficácia clínica comprovada e autorizado pela ANVISA, além de ter ganhado o mercado brasileiro, já está disponível em 11 países, como Japão, Argentina e Alemanha.

-publicidade-