24.3 C
Manaus
segunda-feira, fevereiro 26, 2024

Queloide: o que é e como evitar?

Queloide é uma condição dermatológica caracterizada pelo crescimento anormal de tecido cicatricial. Após uma lesão na pele, causada por um ferimento ou resultante de uma cirurgia, a cicatrização da pele pode ocorrer de forma atípica, devido à produção excessiva de colágeno.
“Se você possui uma cicatriz de cirurgia anterior ou de machucado que evoluiu de maneira mais grosseira, que às vezes coça, arde ou dói; uma cicatriz mais grossa, elevada; esta cicatriz se chama queloide”, explica o médico Dr. Haryson Guanaes de Lima, graduado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí e diretor clínico do Órion Instituto Médico.Nestes casos, os queloides geralmente ultrapassam os limites da ferida original, adquirem aparência elevada, firme e, em alguns casos, mais escuras que a pele ao redor.
“Por razões diversas, em alguns organismos, mesmo após a cicatrização, o tecido cicatricial segue sendo produzido, levando ao queloide”.
O queloide está associado principalmente às características das peles asiáticas e negroides, mas não quer dizer que a pessoa de pele branca não possa ter. Embora haja essa predisposição em alguns tipos de pele, é impossível prever. Quando não há nenhuma cirurgia anterior ou ferimento, fica ainda mais difícil imaginar como será a evolução da cicatriz.
Mesmo nos casos em que já houve uma cirurgia e a cicatrização ocorreu dentro da normalidade, não há garantia de que o mesmo acontecerá em toda a cicatrização. Embora possam se desenvolver em qualquer parte do corpo, os queloides são mais comuns em áreas onde a pele está sujeita a maior tensão.“Não ter a cicatrização queloidiana em uma cesárea, por exemplo, não é garantia de que não haverá queloide no futuro, pois a cicatriz da cesárea é livre de tensão, ao contrário de uma cirurgia de mama ou de uma abdominoplastia, que são cicatrizes com tensão”, orienta.
Prevenção e cuidados
A prevenção de queloides pode ser desafiadora, pois existe forte predisposição genética em sua formação. Ainda assim, algumas medidas podem reduzir o risco de desenvolvimento.
No caso de pessoas já cientes de sua predisposição ao desenvolvimento de queloides, é recomendado evitar lesões, sempre que possível, como a realização de piercings ou tatuagens. Em caso de feridas ou procedimentos cirúrgicos, seguem algumas recomendações do Dr. Haryson:
HIGIENE: Trate as feridas de maneira adequada, mantendo-as limpas e protegidas. Evite coçar ou cutucar feridas
PROTEÇÃO: Proteja a pele de raios ultravioleta com o uso de protetor solar, pois a exposição excessiva ao sol pode aumentar o risco de queloides
ATENÇÃO: Ao perceber sinais de formação de queloides, como aumento da espessura da cicatriz, consulte um médico imediatamente. O tratamento precoce pode ajudar a minimizar o crescimento do tecido cicatricial.
ORIENTAÇÃO: Após procedimentos cirúrgicos, siga corretamente as instruções do médico, especialmente com relação ao repouso e cuidados com a área cirúrgica, minimizando o risco de cicatrizes anormais.
Betaterapia e outras medidas
Segundo o Dr. Haryson, há uma medida indicada especialmente nos casos em que já se sabe da predisposição para o desenvolvimento de queloides.
“A betaterapia é uma radiação aplicada em plaquinhas sobre a cicatriz, idealmente realizada até o terceiro dia após a cirurgia, para pegar o tratamento com a circulação logo no início”.
A radiação beta inibe o crescimento de células, incluindo aquelas responsáveis pelo excesso de formação de tecido cicatricial, ajudando a reduzir a proliferação anormal e promovendo uma cicatrização mais controlada. Também reduz a inflamação, contribuindo para a minimização da formação de cicatrizes indesejadas.
Por fim, em algumas situações, a betaterapia pode estimular a regeneração celular, promovendo a substituição de células danificadas por células saudáveis.
Vale destacar que a betaterapia é um procedimento especializado, que deve ser realizado por profissionais de saúde capacitados e somente com indicação médica. O seu uso para a cicatrização pode depender do tipo de lesão, condição médica e das características específicas do paciente.
“Infelizmente a betaterapia ainda é um procedimento caro e muitas vezes fica inviabilizado. Se não for possível, outros cuidados e podem ser tomados e deve haver o acompanhamento para que a cicatrização evolua de maneira favorável”, alerta o Dr. Haryson.
Confira as outras medidas preventivas apontadas pelo Dr. Haryson:
– Fita de silicone- Curativo em X- Cremes, pomadas, géis- Curativos oclusivos com corticoide
Em caso de dúvidas, converse com o seu médico. 
spot_img