27.3 C
Manaus
sexta-feira, fevereiro 23, 2024

Rede Estadual de Ensino do Amazonas recebe mais de 600 toneladas de alimentos para a merenda escolar

A Secretaria de Estado de Educação e Desporto Escolar iniciou o ano letivo com a distribuição de mais de 600 toneladas de alimentos para as escolas da rede pública estadual do Amazonas. Esta iniciativa, que visa atender quase 400 mil estudantes durante o mês de fevereiro, começou no dia 22 de janeiro, marcando o compromisso da Secretaria com a nutrição e saúde dos alunos.

Os alimentos entregues incluem uma variedade de produtos, como proteínas, itens não perecíveis e hortifrutigranjeiros, que são fundamentais para a composição de uma dieta balanceada e nutritiva. Essa distribuição é resultado de um esforço conjunto da Gerência de Alimentação Escolar (GAE) e das Unidades Executoras (UEx) dos municípios do interior, garantindo que os estudantes tenham acesso a refeições de qualidade desde o início das aulas.

De acordo com Graciliana Oliveira, nutricionista da GAE, a reposição dos alimentos nas escolas é feita de maneira planejada, com proteínas e não perecíveis sendo reabastecidos quinzenalmente, enquanto os hortifrutigranjeiros, por serem frescos, são entregues semanalmente. Esta organização assegura a frescura e a qualidade dos alimentos fornecidos aos alunos.

Um aspecto notável desta distribuição é a ênfase na compra de produtos de agricultores locais, especialmente nos municípios do interior. Isso não apenas apoia a economia local, mas também promove uma alimentação mais saudável e sustentável dentro das escolas. Ana Rita Silva, uma merendeira com 20 anos de experiência, ressaltou a importância desse enfoque na agricultura familiar, observando melhorias significativas na qualidade da alimentação escolar ao longo dos anos.

Além do impacto positivo na nutrição dos estudantes, essas ações têm contribuído para o sucesso da Secretaria de Educação nas metas estabelecidas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Em 2023, a Secretaria não apenas cumpriu, mas superou a exigência federal de aquisição de produtos da agricultura familiar, destinando cerca de 90% dos recursos recebidos para a compra de alimentos, o que representa um investimento aproximado de R$67 milhões.

spot_img