De acordo com a publicação, os trabalhadores começaram a ficar desconfiados uma vez que não foi explicada a origem daqueles registros.

Os trabalhadores contratados transcreviam novamente as conversações com o objetivo de perceber se a ferramenta de inteligência artificial estava interpretando corretamente as mensagens.

A empresa refere que esta prática só envolvia utilizadores que tinham optado por ter as suas chamadas de voz transcritas.

O Facebook já confirmou a prática mas destacou que as ações ja acabaram: “Assim como a Apple e a Google, paramos a revisão humana de áudio há mais de uma semana”, revela a mesma publicação.

Vale lembrar que também a Apple confirmou, este mês, que deixará de ouvir conversas dos utilizadores de iPhone e que as autoridades alemãs obrigaram a Google a suspender a prática de analisar os comandos/conversas tidas através do assistente digital Assistant.. Com informações do Minuto ao Minuto.