Reeducandos do Centro de Detenção Provisória Masculino II começam a ler para reduzir pena no Amazonas

Essa é a sétima unidade prisional do Amazonas a implantar o projeto Remição pela Leitura. Ao todo, mais de 670 reeducandos estão inscritos no projeto em todo o Estado.

O Centro de Detenção Provisória Masculino II iniciou nesta terça-feira (30) o projeto de Remição pela Leitura. A partir de agora, os 130 reeducandos condenados alfabetizados que estão internos na unidade prisional poderão reduzir quatro dias de reclusão a cada livro lido. Segundo Sônia Maria Bezerra Cabral, diretora da Escola de Administração Penitenciária (ESAP), vinculada à Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP), com a adesão do CDPM II, já são sete unidades prisionais do Amazonas participantes do projeto, com mais de 670 reeducandos beneficiados com a remição pela leitura somente neste ano.

A diretora da ESAP explica que o projeto Remição pela Leitura foi implantado no AM em 2015 e é uma parceria entre SEAP, Secretaria de Estado da Educação, empresas que fazem a cogestão nas unidades prisionais e serviços de capelania. Uma equipe multidisciplinar de pedagogos, psicólogos, conselheiros e agentes de ressocialização cuidam do projeto dentro das unidades. Atualmente, o maior número de participantes está no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, com 195 reeducandos neste ano, seguido da Penitenciária Feminina de Manaus (140 participantes) e Unidade Prisional Itacoatiara (121 inscritos).

Para o início do projeto no CDPM II, a SEAP/ESAP, com o apoio da Embrasil Serviços, empresa cogestora da unidade prisional, montou uma biblioteca com cerca de 1.800 livros especialmente selecionados para a formação educacional complementar dos reeducandos. Os participantes têm 20 dias para realizar a leitura do livro escolhido e, depois, participam de uma prova oral e apresentam uma resenha escrita da obra. A prova oral e a resenha escrita são avaliadas pela comissão responsável pelo projeto. O reeducando precisa alcançar nota mínima de seis (6) para obter a remição de quatro dias de reclusão.

“Se a cada mês o participante consegue ler um livro e alcança a pontuação mínima na avaliação, a cada ano ele consegue reduzir sua pena em 48 dias, além de ampliar seus conhecimentos e melhora sua comunicação oral e escrita”, destaca Sônia Cabral.

A aula inaugural do projeto Remição pela Leitura foi realizada na manhã desta terça-feira (30) com a participação dos dez primeiros inscritos no programa. Durante esta semana, a equipe responsável pelo projeto oferecerá adesão aos demais reeducandos aptos a participar.