Registros de violações contra crianças e adolescentes aumentaram em Rio Preto da Eva

O projeto “João e Maria” encerrou suas atividades na manhã desta sexta-feira (21/09), em Rio Preto da Eva (a 57 quilômetros de Manaus). Mais de 1,7 mil pessoas foram alcançadas no período. Entre junho e agosto, dez casos de violência contra crianças e adolescentes foram recebidas na 36ª Delegacia Interativa de Polícia incentivadas pelas palestras do projeto. A informação é do titular da unidade policial, delegado Jony Cledson Barbosa.

Realizada na Câmara Municipal, a cerimônia de encerramento contou com a presença do corregedor-geral do Sistema de Segurança Pública, coronel Hildeberto de Barros Santos, da titular da Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente (Depca), delegada Joyce Coelho, da delegada da Especializada em Crimes Contra Mulher (DECCM), delegada Débora Mafra, do delegado da 36ª Delegacia Interativa de Polícia do município, Jony Cledson Barbosa Leão, além do prefeito de Rio Preto da Eva, Anderson José de Souza.

Assim como na capital amazonense, o projeto “João e Maria” levou profissionais da segurança pública às escolas do município de Rio Preto da Eva para assistir palestras que abordaram temas sobre o enfrentamento à violência contra crianças, adolescentes, mulheres e idosos.

O chefe do Departamento de Prevenção à Violência da SSP-AM, capitão Guilherme Sette, falou do desafio de realizar as atividades através do projeto no município e do desejo de continuar expandindo programas de prevenção à violência em outras cidades do interior do Estado.

“Nós conseguimos atingir todas as localidades, um grande desafio. O município de Rio Preto da Eva possui mais de 800 km em ramais, mas isso não foi obstáculo. O projeto atingiu aproximadamente duas mil pessoas, levando conhecimento sobre o enfrentamento à violência contra mulher, contra criança e adolescente e contra idoso. Todas as faixas etárias foram atingidas e o resultado foi muito expressivo. Tivemos um aumento das denúncias”, destacou.

Segundo o capitão Sette, o projeto está em conclusão em Iranduba, e a meta é levar para outros municípios. Uma das próximas paradas é a cidade de Manacapuru.

O prefeito de Rio Preto da Eva, Anderson José de Souza, avaliou a importância da junção das atividades do projeto com a educação especificamente do município. “Nós que temos a preocupação de dar uma educação por completo, hoje abraçamos com muito carinho, viemos todos os professores, diretores de escola, coordenadores, tanto da rede municipal quanto estadual, todos envolvidos nesse projeto”.

Denúncias – O delegado da 36ª Delegacia Interativa de Polícia, Jony Cledson Barbosa, explica que a ida do projeto ao município foi importante por difundir mais informações às vítimas desses tipos de crimes, fazendo-as compartilhar com suas mães e, consequentemente, denunciando.

“Após o projeto ‘João e Maria’, teve um número crescente nos casos sendo denunciados na delegacia. Em todo o ano de 2017, nós tivemos 7 casos registrados. Só durante o projeto, nós tivemos 10 casos registrados e formalizados em procedimentos criminais de estupros. Na maioria dos casos, as pessoas viram as informações no projeto e foram encorajadas a fazer denúncia”, disse.

O delegado pontua ainda que a Polícia pretende continuar com os trabalhos que o projeto levou até às escolas do município de Rio Preto da Eva. “Em conjunto, Polícia Civil, Polícia Militar e Guarda Municipal, estamos também vendo a possibilidade do Bombeiro dar continuidade a esse projeto, fazendo um cronograma semanal ou quinzenal para que aconteçam as palestras, porque as palestrantes continuarão na cidade, elas já têm a informação e esse projeto não pode parar”, destacou.

FOTO: DIVULGAÇÃO