Relembre frases que marcaram o 1º turno das Eleições 2018

Após a confirmação de segundo turno, os brasileiros voltam às urnas no próximo dia 28 para escolher quem assume a presidência do Brasil: Jair Bolsonaro (PSL) ou Fernando Haddad (PT). Com propostas diferentes, o discurso dos candidatos deve ser decisivo para o voto dos eleitores, assim como no primeiro turno. No total, foram 35 dias de propagandas em rádio e televisão. Ao longo desse período, os candidatos ao Palácio do Planalto também se reuniram em debates para discutir propostas de governo, além de terem usado e abusado das redes sociais.

O período pré-votação em 2018 ainda teve um marco. Um ataque à faca ao candidato Jair Bolsonaro repercutiu ao redor do mundo e evidenciou a pesado clima político vivido pelo Brasil. O capitão reformado, aliás, está no centro da disputa eleitoral. Mais cotado para assumir o Planalto e visto por muitos como “mito” e solução para os problemas do Brasil, Bolsonaro coleciona polêmicas ao longo da corrida presidencial, além de dizer abertamente que não entende de economia.

Perguntado pelo jornalista Reinaldo Azevedo, da RedeTV, sobre capitalização de juros no Brasil, Bolsonaro se enrolou na resposta.

“Cabe sim ao presidente da República […] são números absurdos […] os meus economistas dizem que tem solução, mas será muito difícil atender essa meta […] e propostas, redução do tamanho do estado, privatizações […] fazer com que patrões e empregados sejam amigos, e não inimigos”.

Fernando Haddad, do PT, foi confirmado oficialmente como candidato apenas em setembro. Em debates, Haddad foi bastante confrontado a respeito de temas ligados à corrupção, que marcou o PT ao longo dos 14 anos à frente do poder. Haddad, no entanto, praticamente só se defendeu.

“Eu tenho ética. Eu tenho história. Eu tenho uma vida pública sem nenhum reparo. Posso te garantir isso. To olhando aqui no olho do eleitor e dizendo: não existe nada que não seja na minha vida produzir o bem, trabalho e educação”.

Única mulher candidata ao Planalto presente nos debates, Marina Silva, buscou sempre defender a igualdade de gênero. Confrontando sempre Bolsonaro, Marina apresentou posições firmes em suas ideias, apesar de participar de sua terceira eleição.

“Só uma pessoa que não sabe o que é que significa uma mulher ganhar um salário menor que um homem e ter as mesmas capacidades, a mesma competência ser a primeira a ser demitida. Ser a última a ser promovida. E quando vai pra uma fila de emprego, pelo simples fato de ser mulher, não é aceita. Então, não é uma questão de que não precisa se preocupar. Tem que se preocupar sim”.

Ao mesmo tempo em que é o candidato de um dos maiores partidos do Brasil, o MDB, Henrique Meirelles apareceu na disputa como um desconhecido. O presidenciável se apresentou em grande parte dos debates sempre relembrando os feitos no Ministério da Fazenda, na presidência do Banco Central e no banco americano BankBoston.

“Mas o importante é que nós temos um compromisso de botar a economia para crescer. Já fiz isso no passado, sei como fazer. E, nos próximos quatro anos vamos criar 10 milhões de empregos”.

Durante todos os debates, o candidato do Podemos, Álvaro Dias, buscou combater a corrupção. O ex-membro do PSDB, na verdade, se preocupou mais em atacar a corrupção dos governos do PT do que apresentar propostas de governo. E acumulou frases de efeito em sua campanha.

“Na olimpíada da mentira e da ficçãol, o PT ganha medalha de ouro. A mentira e a mistificação tem sido arma do PT para iludir o povo brasileiro. Em 2007, eu trabalhei duro para derrubar a CPMF. Em janeiro, o PT aumentou o IOF para recuperar os 40 bilhões que perdera com o fim da CPMF. E agora alega que vai reduzir impostos. O PT é implacável com o pobre. Ele distribui a pobreza”.

Grande personagem na disputa eleitoral por seu carisma e espontaneidade, o candidato do Patriota, Cabo Daciolo, ficou famoso pelas afirmações icônicas, como quando disse que o Brasil tinha “mais de 400 milhões na extrema pobreza”. O país, porém, tem pouco mais de 220 milhões de habitantes. Ao se dirigir a Ciro Gomes no debate da Band, virou meme e ganhou espaço nas redes sociais.

“Ciro, o senhor é um dos fundadores do Foro de São Paulo. O que o senhor pode falar aqui para a população brasileira, para a nação brasileira sobre o plano URSAL – União da República Socialista Latino-Americana? Nós estamos falando aqui de um plano que chama-se Nova Ordem Mundial. União de toda a América do Sul”.

Assim como os outros candidatos, Ciro Gomes (PDT) se apresentou como a solução para o extremismo das eleições deste ano.

“O Bolsonaro está interpretando um papel e a elite brasileira cobra ele no texto que ele decorou. Mas daí até ele ganhar a eleição, eu acho que o povo brasileiro não cometerá esse suicídio coletivo. É um projetinho. Dai até chegar a Hitler, é um projetinho de Hitlerzinho tropical.”

Candidato do PSOL, Guilherme Boulos se tornou o mais jovem a concorrer ao Planalto na história do Brasil. Esquerdista radical, o líder do MTST aproveitou o espaço em rádio e televisão para confrontar o atual sistema político brasileiro.

“Se nós estamos aqui hoje podendo discutir o futuro do Brasil é porque teve gente que derramou sangue para ter democracia. Sempre começa assim: arma, tudo se resolve na porrada, que a vida do ser humano não vale nada. Acho que nós temos que dar um grito nesse momento, botar a bola no chão e dizer: ditadura nunca mais”.

Até o fim do mês, mais pérolas podem marcar as eleições de 2018. O segundo turno está marcado para o próximo dia 28 e definirá quem governará o país de 2019 a 2022.

Com colaboração de Geovanna Gravia, reportagem, Thiago Marcolini

#Eleições2018