Take a fresh look at your lifestyle.

Restrições – Circulação de pessoas será proibida 24 horas a partir de segunda-feira (25), no Amazonas

-publicidade-

Por 10 dias, pessoas só poderão sair para ida ao supermercado e receber atendimento médico

O governador Wilson Lima anunciou neste sábado (23), novas medidas de restrição para tentar conter o avaço da Covid-19 no Amazonas. O novo decreto, que deve ser publicado nas próximas horas, começa a na próxima segunda-feira (25) e endurece as restrições na circulação de pessoas em todo o Estado. De acordo com o governo, as pessoas só poderão sair para atividades essenciais como ida ao supermercado e receber atendimento médico. As medidas serão válidas por 10 dias.

“Isso não significa cercear o direito de ir e vir, o cidadão pode sim sair da sua casa, mas ele só pode sair se houver extrema necessidade. Ele pode sair para ir ao supermercado, pode sair para ir à farmácia, em um caso de urgência e de emergência, pode sair, não há problema em relação a isso”, afirmou. “Mas ele só pode sair se houver essas condições”, disse durante live em redes sociais.

Veja as rerestrições:

Supermercados ficam abertos de 6h às 19h, limitado a produtos de alimentação, bebidas, limpeza e higiene pessoal – uma pessoa por família.
Farmácias estão abertas durante 24h.
Serviços de saúde, clínicas de urgência e emergência, atendimento a domicílio e e saúde mental.
Clínicas veterinárias.
Feiras, de 4h às 8h
Restaurantes, padarias e bares (com cnae de restaurante) podem funcionar apenas em sistema delivery, de 6h às 22h.
Obras e serviços de engenharia na área de saúde
Produção e transporte de cargas de produtos essenciais à vida, como alimentos, medicamentos e insumos
Transporte de trabalhadores nas atividades permitidas
Indústria funcionará em turnos de 12 horas, com exceção das empresas que atendem o setor de alimentação, de farmácias e de itens para hospitais.

As Polícias Militar e Civil vão garantir o cumprimento do estabelecido no decreto e evitar aglomerações e abusos, como festas clandestinas. Com informações do G1.

-publicidade-