Ricardo Nicolau assina pedido de CPI na Aleam

Ele defende dezenas de convocações

Para o deputado, o governador Wilson Lima e o ex-prefeito Arthur Neto estão entre os nomes que devem esclarecimentos públicos sobre as milhares de mortes registradas na pandemia.

O deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD) assinou nesta quinta-feira, 1º, o requerimento dos deputados Wilker Barreto, Dermilson Chagas e Delegado Péricles pela abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) para investigar as falhas de gestão e suspeitas de corrupção cometidas pelo poder público na pandemia de Covid-19.

Ao assinar o pedido, Ricardo Nicolau defendeu a convocação de pelo menos 30 nomes, num primeiro momento, incluindo nessa lista o governador do Estado, Wilson Lima, gestores do sistema público de saúde e o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto. Para o parlamentar, a CPI precisa apurar as responsabilidades pelas ações que transformaram o Amazonas no campeão mundial de mortes na crise sanitária.

“Sou favorável à criação da CPI e, desde já, me coloco à disposição para participar dos trabalhos de maneira técnica e imparcial. Em respeito às milhares de vítimas da Covid e seus familiares, o poder público tem a obrigação de explicar ao povo amazonense o porquê do total desastre na condução da pandemia que vimos até aqui. Há muitas perguntas que não podem ficar sem resposta”, declarou o deputado.

De acordo com Ricardo Nicolau, a criação da CPI na Aleam se faz necessária após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter referendado, nesta semana, o veto à convocação de governadores pela CPI da Pandemia, em andamento no Senado. Na decisão, a Corte decidiu que a competência de fiscalização do Legislativo federal se limita à administração pública federal, não podendo apurar fatos relacionados a gestões locais.

Primeiros depoimentos

Entre as convocações iniciais pela CPI defendidas pelo deputado Ricardo Nicolau, estão a do governador Wilson Lima; do vice-governador Carlos Almeida; do ex-prefeito Arthur Neto; dos ex-secretários estaduais de saúde Rodrigo Tobias, Simone Papaiz, Marcellus Campêlo, e do atual, Anoar Samad; e do ex-secretário municipal de saúde, Marcelo Magaldi.

Entram na lista ainda os secretários executivos da capital e do interior da Secretaria de Estado da Saúde (SES-AM); os gestores dos hospitais 28 de Agosto, Delphina Aziz, João Lúcio, Platão Araújo, dos oito Serviços de Pronto Atendimento (SPAs), das duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e da Central de Medicamentos do Amazonas (Cema).

Representantes do Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH), contratado pelo governo do Estado para gerenciar o hospital Delphina Aziz; assim como das empresas White Martins, Sonoar e Vineria Adega também poderão ser convocados para prestar depoimento, conforme sugere o parlamentar.

Foto: Divulgação