Take a fresh look at your lifestyle.

SAÚDE: Governo e população devem se unir para combater o Aedes aegypti, diz Ministro da Saúde

-publicidade-

O Ministro da Saúde, Marcelo Castro, afirmou nesta quinta-feira, durante sessão temática do Senado Federal para discutir a epidemia do vírus Zika no país, que o Brasil precisa estar unido no combate ao Aedes aegypti. De acordo com o Ministro, as ações contra o mosquito transmissor da dengue, do chikungunya e do vírus Zika devem ser trabalhadas em conjunto pelo governo Federal, governos estaduais e municipais. Sempre com o apoio e a ajuda da população.

“Todos temos que estar unidos, e a participação da sociedade é imprescindível, porque dois terços dos criadouros do mosquito estão dentro das residências. Os exemplos que temos espalhados pelo Brasil, de Norte a Sul, em todos os municípios que conseguiram controlar o Aedes aegypty, houve a conjugação de esforços da sociedade com o poder público.”

Durante a sessão, o Ministro falou sobre a campanha lançada pelo Governo Federal, intitulada de “Zika zero: um mosquito não é mais forte do que um país inteiro”. A campanha tem o objetivo de estimular a população a se mobilizar no combate ao mosquito. Marcelo Castro, fala sobre a agilidade das ações do governo brasileiro contra a microcefalia e sobre a relação do Zika com a complicação neurológica.

“A primeira vez que o ministério da saúde foi notificado de um número excessivo de microcefalia em Pernambuco, foi no dia 22 de outubro. No dia 11 de novembro nos já declarávamos estado de emergência em saúde pública e no dia 29 de novembro nós já declarávamos que a causa da microcefalia era a epidemia de zika que nós estávamos vivendo. Tudo que tem acontecido até agora tem corroborado com a nossa tese.”

De acordo com o último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, em todo o Brasil, mais de quatro mil e 100 casos notificados como microcefalia estão sendo investigados. Até agora, foram confirmados 583 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infecção congênita em recém nascidos.
Segundo a pasta, 70 por cento da população do Aedes aegypti nasce dentro de casa. Por isso, a participação da população é fundamental. Saiba mais na internet, no endereço www.combateaedes.saude.gov.br

Reportagem, João Paulo Machado

-publicidade-