A investigação desencadeada pela Polícia Federal nesta sexta-feira (19), que tem como principais alvos o senador Omar Aziz e sua esposa Nejmi Aziz, foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo nota da PF, o ministro Dias Toffoli autorizou a remessa do processo de investigação ao juízo da 1ª instância ppr entender que os crimes cometidos por Omar foram realizados quando ele ainda era governador do Amazonas. Segundo assim, mesmo sendo Senador da Republica, o político deve responder pelos crimes sem direito ao foro privilegiado.

“Em razão dos indícios detectados de recebimentos de vantagens indevidas por um ex-governador, que por exercer o cargo de senador, poderia ter direito a
foro privilegiado no STF. Em razão do entendimento do Supremo Tribunal de que foro por prerrogativa de função conferido aos deputados federais e senadores se aplica apenas a crimes cometidos no exercício do cargo e em razão das funções a ele relacionadas, o Ministro Dias Toffoli determinou a remessa da investigação ao juízo de 1ª instância, sendo que em janeiro de
2019 a investigação foi retomada”, diz parte da nota divulgadaneata sexta.

Entre as vantagens indevidas de que se tem suspeita, teria havido entregas de dinheiro em espécie ou por meio em negócios simulados ou superfaturados, a fim de ocultar a entrega de dinheiro dissimulado por meio de contratos de aluguel e de compra e venda.A investigação está diretamente relacionada com as outras fases da operação Maus Caminhos.

Ainda segundo a PF, há provas robustas contra Omar Aziz desdd a criação do esquema que desvio milhões da saúde do Amazonas.