Representantes da empresa peruana Dolomita do Amazonas querem instalar uma fábrica para processar o calcário em Tabatinga (distante a 1.106 quilômetros de Manaus em linha reta). Eles estiveram reunidos na sede da Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror), na manhã desta terça-feira (27/02), com o titular da Sepror, José Aparecido, e com o diretor-presidente do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), Luiz do Herval.

O proprietário da empresa, Alfredo Belledonne, o representante no Amazonas, Gláucio Martins, o representante da Agrosol, Ricardo Bonafé, e o operacional do grupo Nivaldo Martins estavam acompanhados de Dom Alcimar Magalhães, bispo emérito da Diocese do Alto Solimões, que fez a articulação para que a empresa fosse para o município.

De acordo com a comitiva empresarial, a intenção é trazer a pedra bruta do Peru até Tabatinga, onde ela será industrializada (moída) para gerar o calcário agrícola. “Estamos tentando viabilizar uma filial em Tabatinga para nacionalizar o produto”, afirmou o representante da empresa no Amazonas.

Demandas – O secretário da Sepror sinalizou positivamente para a iniciativa e chamou atenção para o fato de que o Estado precisa de imediato de 10 mil toneladas de calcário para suprir as demandas dos projetos de agronegócios. Outro ponto destacado é que com a instalação da indústria em Tabatinga abre-se uma grande oportunidade para a área do alto Solimões, com a geração de emprego e renda.

Para o presidente do Idam, Luiz do Herval, a instalação da fábrica em Tabatinga vai atender aos produtores rurais da calha do Rio Solimões e do Estado como um todo. “Os estudos da qualidade do calcário peruano são importantes para que se conheça todas as suas propriedades, que servirão de correção para o solo amazônico”, destacou Herval.

Caso eles tenham autorização do Estado e de outras instituições para a instalação da indústria, garantirão a produção de mil toneladas de calcário por dia. “Além disso, nenhum dos calcários existentes no mercado amazonense tem a qualidade que o nosso tem”, garantiu Gláucio Martins.

O que é Calcário Agrícola? – Ele é um dos produtos usados para impulsionar o agronegócio, já que é utilizado na correção do solo para torná-lo fértil. Ao mesmo tempo em que faz essa correção, o calcário também fornece cálcio e magnésio indispensáveis para a nutrição das plantas. A aplicação do calcário aumenta a disponibilidade de elementos nutrientes para as plantas e permite a maximização dos efeitos dos fertilizantes, e consequentemente o aumento substancial da capacidade produtiva da terra.

FOTO: DJALMA JR./SEPROR