Serviços de carteira de trabalho e cadastro no Sine beneficiam jovens

Uma nova carteira de trabalho, mas com um diferencial: a presença do nome do pai. Foi com esse objetivo que a estudante Jéssica Brandão, 24, compareceu nesta segunda-feira, 22/10, à Manaus Previdência para ser uma das pessoas atendidas no atendimento itinerante de serviços relacionados a emissão da carteira de trabalho e ao cadastro do Sistema Nacional de Emprego (Sine). O atendimento iniciou nesta segunda-feira, na sede da autarquia municipal, no bairro Chapada, zona Centro-Sul, e termina nesta terça, 23, sempre das 8h às 12h.

“Serviços como esse aqui, na previdência, se caracterizam por ter atendimento humanizado e vale ressaltar que para garantir o atendimento, as pessoas precisam apresentar a carteira de identidade, CPF, comprovante de residência, certificado de escolaridade e cursos; certidão de nascimento; de casamento (se houver) e título de eleitor, caso contrário, os serviços não poderão ser realizados”.

O serviço é um desdobramento do projeto “Pensando o Futuro”, implantado há quatro meses e destinado aos jovens pensionistas que vão deixar de receber a pensão por força de lei. Para tornar a ação realidade, a previdência contou com o apoio da Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Desenvolvimento (Semtrad), responsável pela operacionalização municipal do Sine.

Além dos segurados, a oportunidade foi aberta ao público em geral, onde se enquadra Jéssica, que não possui vínculo com a autarquia e foi avisada pela mãe, pensionista do município, que recebeu a informação via aplicativo de mensagens para celular.

Com a nova carteira de trabalho, agora com o nome do genitor, Jéssica espera conseguir uma vaga de emprego, ainda que não tenha nenhuma experiência laboral.

Participar do projeto em junho foi um aprendizado para o pensionista Leonardo dos Anjos, 16, que vem pensando no seu desenvolvimento pessoal há algum tempo, à medida que o pagamento da pensão deixada pela mãe vai se encerrar quando ele completar 18 anos.

Para atingir essa meta, o pensionista diz que aceita trabalhar em qualquer categoria, inclusive como Menor Aprendiz. Ele diz ter consciência da necessidade de estar focado nos estudos de cursinhos, visando uma vaga na universidade, especificamente na faculdade de Engenharia, a qual tem preferência.

Texto: Jackeline Brazão / Manaus Previdência