Take a fresh look at your lifestyle.

Servidores da Semed e movimentos sociais criticam retomada do programa ‘Nossa Merenda’ pela prefeitura de Manaus

-publicidade-

O prefeito de Manaus, David Almeida, anunciou nesta quarta-feira, 27/1, que mais 26 mil famílias, participantes do programa social “Nossa Merenda”, receberão cartões com a quantia de R$ 150 nos próximos dias. A expectativa é a de que, no total, R$ 17 milhões sejam distribuídos aos responsáveis pelos alunos da rede municipal de ensino, contemplados pelo benefício. O objetivo, segundo o executivo é buscar soluções para amenizar a crise financeira e social, causada pela pandemia da Covid-19

Porém, servidores da Semed (Secretaria Municipal de Educação) e movimentos sociais publicam carta aberta sobre o programa ‘Nossa Merenda’ e dizem que a determinação, segundo as intituições, incentiva o descumprimento do Decreto nº 43.303/2021 que determina medidas mais rígidas de isolamento.

Leia

Com a determinação do prefeito David Almeida para a retomada da entrega dos cartões do programa ‘Nossa Merenda’, servidores da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e movimentos sociais publicaram carta aberta sobre o programa nas redes sociais.

Segundo a carta, a determinação do prefeito incentiva o descumprimento do Decreto nº 43.303/2021, que determina medidas mais rígidas de isolamento e coloca em risco milhares de vidas.

A carta aponta, ainda, falhas na prestação do serviço pela empresa contratada para emissão dos cartões, bem como a incapacidade da prefeitura em apresentar soluções que viabilizem o repasse do auxílio de forma segura aos beneficiários.

Ainda segundo os servidores, a disponibilização do auxílio financeiro ‘Nossa Merenda’ deveria ser efetivada por meio de conta poupança social digital, como ocorreu com o ‘Auxílio Emergencial’ do governo federal, pago em 2020.

Por fim, os servidores afirmam que qualquer decisão sobre a retomada das atividades presenciais nas unidades de ensino deve ser tomada com base em evidências que garantam a segurança de toda a comunidade escolar.

Assinam a carta os seguintes grupos:

Servidores da Área Administrativa da Educação Municipal

Professoras e Professores da Oposição Sindical SINTEAM

Frente Cabana em Defesa da Vida

Coletivo de Mulheres da Educação

Associação Beneficente, Cultural e Religiosa do Ilê Axé Opô Opará

Vem pra Luta Pela Educação

Movimento Mulheres em Luta

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e

Tecnológica (Sinasefe) Seção Manaus

Articulação Amazônica dos Povos e Comunidades Tradicionais de Terreiro de Matriz

Africana – ARATRAMA

Associação de Desenvolvimento Sócio Cultural Toy Badé

Ponto de Cultura Tambor de Mina: História, Memória e Tradição

Xwɛgbɛ́ Acɛ́ Mina Gɛgi Vodún Xɛ́byosɔ Toy Gbadɛ́

Fórum em Defesa dos Serviços Públicos do Amazonas (SINTRAAM, ADUA, SINASEFE, SINTESAM)

-publicidade-