Sete são recapturados por violarem tornozeleiras eletrônicas

Sete pessoas foram presas nesta segunda-feira (22/10) durante cumprimento de mandados de prisão da Operação Rastreamento II. A operação cumpriu, desde as primeiras horas da manhã, mandados de prisão expedidos contra presos do regime semiaberto e que violaram o monitoramento eletrônico. A operação ocorreu em Manaus e em municípios da região metropolitana.

A ação policial é realizada pela a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), por meio da Secretaria Executiva de Operações (SEOP), e em parceria com as Polícias Civil, Militar, Secretaria de Administração Penitenciária (SEAP) e o Ministério Público do Estado.

O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Coronel Amadeu Soares, ressaltou que operação faz parte do planejamento estratégico do Governo do Estado para combater os índices de criminalidade. “Essa operação é uma sequência das investigações  que foram feitas para a retirada das ruas dos criminosos que, mesmo monitorados pela tornozeleira eletrônica, continuam praticando crimes. Ao serem presos, eles devem regredir para o regime fechado”, disse o titular da SSP.

PRESOS – Geovanna Teixeira de Oliveira, 23, responde por roubo e estelionato e foi presa no bairro Compensa, zona oeste de Manaus; Eliney dos Santos freitas, 24, responde por roubo e corrupção de menores. Foi preso no bairro Tancredo Neves, zona leste de Manaus; Christtian Slass Marinho de Barros, 23, responde por roubo e receptação. Foi preso no bairro São José, zona leste de Manaus; Hytallo Rangel de Oliveira, 24, responde por roubo e foi preso no bairro Santa Luzia, zona sul da capital; Jobelson de Amorim Souza, 34, responde por homicídio e foi preso no bairro Mauazinho, zona Leste. Dois nomes ainda não foram divulgados.

O Delegado-geral da Polícia Civil, Frederico Mendes,  disse que a ação integrada entre as forças de segurança do Estado é  essencial para o cumprimento das ordens judiciais. “Essas pessoas não estão cumprindo o que a legislação determina e nós iremos fazer com que cumpram. Vamos  tirar de circulação essas pessoas da sociedade porque elas também contribuem com o aumento da violência”, completou Mendes.

De acordo com o Secretário Executivo de Operações (SEAOP), Guilherme Torres, as investigações constataram que alguns presos monitorados estão envolvidos em homicídios e roubos. “Durante a ação policial foi empregada tecnologia de ponta com rastreamento em tempo real dos monitorados via GPS”, completou.

DENÚNCIA – A população também pode contribuir com o trabalho da polícia. Por meio número 181, a sociedade pode fazer denúncias anônimas que serão investigadas pela Secretaria Executiva-Adjunta de Inteligência (SEAI) e pela Polícia Civil.