Contando com cerca de 4 mil produtores rurais em atuação, o setor de piscicultura no Amazonas foi responsável por uma produção de 15.456 toneladas em 2018, de acordo com dados do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam). O setor da piscicultura está incluso nos projetos prioritários do Idam, que detalham algumas cadeias produtivas no estado.

O Idam tem trabalhado para dar o suporte necessário aos produtores rurais e agricultores familiares que desejam investir na piscicultura, para que o setor aumente sua produção. Segundo o gerente de Apoio à Aquicultura e Pesca do Idam, o engenheiro de pesca Alfeu Ferraz Filho, alguns aspectos precisam ser analisados para a instalação de criatórios de peixes.

Para a devida instalação de viveiros, por exemplo, Alfeu explica que os técnicos do Idam visitam a propriedade do produtor rural, e analisam se o local possui energia elétrica e se a estrada de acesso à propriedade é transitável o ano todo.

“É verificado ainda qualidade do solo, se existe fonte d’água, distância da fonte até o viveiro, além da qualidade e preço das rações e dos alevinos”, disse.

De acordo com o engenheiro, é importante ainda verificar se há mercado consumidor e para quem será vendida a produção. Além disso, o produtor precisa ter a legalização ambiental e as licenças devidas da propriedade.

No Amazonas, são desenvolvidas diversas modalidades de criação de peixes, com diferentes índices de produção no estado, e o Idam disponibiliza orientações técnicas para a instalação de cada tipo de criatório.

Hoje, existem no estado 2.136 piscicultores que produzem em viveiro escavado, 1.381 que produzem em viveiro de barragem, 294 em canal de igarapé, e 90 em tanque-rede, totalizando a quantidade de 3.901 piscicultores atuantes no estado.

O gerente detalha ainda que, no Amazonas, a população pode consumir até 60 mil toneladas/ano de peixe oriundos da piscicultura. Desse total, cerca de 40% já é produzido no estado.

Projeto prioritário – O Idam tem trabalhado na elaboração de projetos prioritários das principais cadeias produtivas no Amazonas, e entre elas está a piscicultura.

De acordo com Alfeu Ferraz Filho e com o engenheiro de pesca do Idam, Marcel Ribeiro, o setor pode ter um salto de produtividade de 6 toneladas/hectare para 12 toneladas/hectare nos próximos quatro anos, se forem utilizadas novas tecnologias para a piscicultura desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e revitalizados os viveiros já existentes, sem a necessidade de promover novos desmatamentos.

Atualmente, segundo o gerente do Idam, os principais produtores de pescado no estado estão nos municípios de Rio Preto da Eva, Manacapuru, Presidente Figueiredo, Iranduba, Careiro Castanho, Itacoatiara, Benjamin Constant e Humaitá. Entre as espécies de peixes que o estado mais produz está o tambaqui, com cerca de 90% da produção total. O restante vem das espécies criadas nos canais de igarapé, como o matrinxã e, em pequena escala, o pirarucu.

Segundo Marcel, o projeto pretende trabalhar na área que abrange os munícipios de Manaus, Manacapuru, Iranduba, Presidente Figueiredo, Rio Preto da Eva, Itacoatiara, Humaitá, Autazes, Careiro, Coari, Benjamin Constant, Guajará e Ipixuna.

“O objetivo é fortalecer a cadeia produtiva da piscicultura nesses municípios, por meio da aplicação de serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), visando aumentar a produção e a produtividade da atividade”, explicou.

FOTO: Divulgação/Idam