Sistema de fracionamento evita desperdício de medicação no Hospital Delphina Aziz

Procedimento também proporciona mais segurança ao paciente

O Hospital Delphina Aziz, referência no atendimento de Covid-19, adota o fracionamento de medicamentos para evitar desperdício de medicação e garantir maior qualidade e segurança para os pacientes.

No processo de fracionamento, separa-se um medicamento da embalagem original, reembalando-o em unidades ou porções individuais, de modo que possa ser administrado ao paciente na dose prescrita. O procedimento inclui tanto os medicamentos líquidos orais quanto os sólidos orais.

Antes do fracionamento, o frasco e as embalagens eram enviados para o setor solicitante, onde o fracionamento era feito pela equipe assistencial, e esse processo trazia gastos com seringas e copinhos, além de eventuais desperdícios de medicação.

O fracionamento de medicamentos está disposto na Portaria RDC Nº 67 de outubro de 2007, que dispõe sobre as boas práticas de manipulação de preparações magistrais e oficinais para uso humano em farmácias.

De acordo com a coordenadora de farmácia, Vivian Maciel, o processo de fracionamento feito na farmácia central do hospital gerou maior economia. Atualmente, a medicação chega ao paciente por multidoses.

Segundo a farmacêutica Vivian, as multidoses saem da farmácia central do hospital com etiqueta de identificação e código de barras para rastreamento via sistema, com a descrição do lote, validade e quantidade dos medicamentos a serem administrados para aquele paciente conforme prescrição médica.

Esse rastreamento de medicamentos proporciona a garantia da procedência segura, do manuseio correto, da armazenagem adequada e dos canais certos de dispensação dos produtos. Como o hospital é totalmente informatizado, a prescrição eletrônica permite que a equipe farmacêutica possa validar logo que o médico realiza a prescrição, trazendo segurança ao paciente.

“O processo de multidoses iniciou quando começamos a identificar as margens que tínhamos em aberto da rastreabilidade do medicamento saindo da farmácia até chegar aos pacientes. Fazemos o fracionamento de acordo com a prescrição médica e distribuímos para as farmácias satélites das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e a cada seis horas para os andares clínicos”, explicou a coordenadora.

Dentre os resultados desse processo está a participação efetiva do farmacêutico na assistência farmacêutica; auxílio no controle da infecção hospitalar, devido à higiene e organização no preparo das doses; segurança para o médico em relação ao cumprimento de suas prescrições; e exatidão do consumo de medicamentos utilizados por cada paciente.

Gestão hospitalar – O Hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz está sob gestão assistencial do Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) desde abril de 2019.

FOTO: Aleandra Cruz/Delphina Aziz